McCain mira eleição presidencial de novembro nos EUA

Barack Obama e Hillary Clintoncaminham para o próximo round da luta pela nomeação dosdemocratas em Wisconsin, enquanto John McCain, com poucaoposição entre os republicanos, já olha mais à frente --nadireção das eleições presidenciais de novembro. Com oito vitórias apertadas na manga, Obama espera outrasduas na terça-feira em Wisconsin e no Havaí, onde ele nasceu.Pesquisas recentes o mostram pouco à frente da adversária emWisconsin. "Isto que está acontecendo é algo realmente diferente detudo o que eu já vi na política, e eu acho que será uma disputaapertada", disse o governador do Wisconsin, Jim Doyle, queapóia Obama, ao programa Fox News Sunday. "É bem provável queObama vença." Hillary Clinton, senadora por Nova York que viu desaparecera grande vantagem que detinha, não desistiu. Ela programou umasérie de eventos por Wisconsin e teve seu marido, oex-presidente Bill Clinton, e a filha Chelsea fazendo campanhapara ela. McCain, senador por Arizona e prisioneiro de guerra noVietnã, está praticamente assegurado como o candidatorepublicano, apesar de seu principal concorrente, oex-governador de Arkansas Mike Huckabee, ainda estar nacorrida. Em uma entrevista veiculada pela rede ABC neste domingo,McCain falou sobre a campanha presidencial, dizendo quedestacará o caráter liberal dos democratas enquanto realçarásuas credenciais conservadoras. "Eu posso vencê-los na campanha, vencê-los no debate, teruma performance melhor do que a deles pois acho que a minhavisão para a América é mais de acordo com a da maioria dosnorte- americanos", disse. O senador, no entanto, tem tido problemas em conquistaralas conservadoras de seu próprio partido. Ele disse estarfazendo progressos nessa questão. "Nós precisamos unir novamente o partido e precisamosreenergizar o partido", afirmou. "Estou preparado para fazerisso. Nós temos muito tempo, mas eu não vou desperdiçar umdia." Na segunda-feira, McCain receberá a importante declaraçãode apoio de George H. W. Bush, pai do presidente George W.Bush. O presidente ainda não declarou apoio a ninguém, masdeixou claro que está pronto a apoiar McCain assim que eleobtiver a nomeação. Depois da votação de terça-feira, os democratas se voltarãopara 4 de março, quando os grandes Estados de Texas e Ohiopromoverão suas primárias.

CAREN BOHAN, REUTERS

17 de fevereiro de 2008 | 15h48

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMCCAINNOVEMBRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.