Menina que denunciou seita ainda não foi encontrada

Mais de 180 mulheres e crianças foram resgatadas sábado, 5, de um rancho Mórmon no Texas

Efe e AP

06 de abril de 2008 | 16h28

Agentes da polícia entraram em um enorme templo de uma seita polígama no Texas, mas até a manhã deste domingo, 6, eles ainda não conseguiram encontrar uma menina de 16 anos cujo relato inicial de abuso levou à busca que já resgatou pelo menos 219 mulheres. Deste número, 159 são crianças.  "Houve momentos tensos na noite de sábado, 5, mas tudo ficou calmo e eles continuaram suas buscas", disse Allison Palmer, procurador de justiça de um condado próximo que está lidando com o caso, neste domingo, 5.  Mais de 180 mulheres e crianças foram resgatadas entre sexta-feira, 4, e sábado, 5, de um rancho construídos por seguidores do líder polígamo Warren Jeffs, mas Marleigh Meisner, porta-voz do Serviço de Proteção à Criança, disse neste domingo, 6, que investigadores ainda estavam tentando determinar se a garota que chamou as autoridades semana passada estava entre elas.  Diversas das garotas da seita são parentes e dividem os mesmos sobrenomes, disse Meisner. Diversas mulheres foram vistas falando com as autoridades e com um advogado em um centro cívico no início deste domingo, 5.  Denúncia Palmer disse que o Serviço de Proteção à Criança ainda estava tentando identificar a menina de 16 anos, e que não estava claro se ela estava entre aquelas que foram entrevistadas. Na última sexta-feira, 4, funcionários do serviço de proteção ao menor invadiram o local em que as meninas eram mantidas, no condado de Eldorado, a 260 quilômetros de San Antonio, uma das maiores cidades do Texas. Eles buscavam evidências do casamento da menina de 16 anos, que supostamente teve um filho aos 15, e Dale Barlow, de 50 anos. Pelas leis do Texas, meninas menores de 16 anos não podem casar, mesmo com aprovação dos pais.  O oficial de condicional de Barlow disse ao jornal The Salt Lake Tribune que ele estava no Arizona. "Ele disse que as autoridades o procuraram e que alguma garota o tinha acusado de tê-la assediado e ele nem sabia quem ela era", disse Bill Loader, oficial de condicional do Arizona. Palmer disse que as autoridades do Texas entraram em contato com o Arizona, mas ainda não falaram com Barlow. Nenhuma prisão foi feita.  Barlow foi preso ano passado após não contestar acusação de conspiração para conduta sexual com menor. Ele foi também obrigado a se registrar como agressor sexual nos três anos que passou em condicional. O mandado de busca instrui oficiais para procurarem por registros de casamento ou outras evidências ligando a menina a Barlow ou a um bebê. A ordem autoriza a apreensão de computadores, Cds, DVDs ou fotos.  Ninguém de dentro do retiro quis responder a perguntas. Seita Membros da  Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, liderados por Jeffs após a morte de seu pai em 2002, é uma cisão da Igreja Mórmon quando esta proibiu a poligamia em 1890. A igreja pratica abertamente a poligamia na fronteira das cidades de Hildale, Utah, e Colorado City (Arizona), e os habitantes do rancho foram vistos raras vezes em Eldorado, cidade que fica a cerca de seis quilômetros da propriedade. Segundo as autoridades, a seita impõe casamentos a jovens de até 13 anos. Caso o eleito para se casar com elas abandone a congregação, as moças são destinadas a outros. As autoridades policiais começaram, na última quinta-feira, 3, a se aproximar do rancho e a bloquear seus acessos com barricadas, preparando a grande operação que aconteceu na noite da última sexta-feira, 4, e na madrugada de sábado, 5. O alarme foi dado após uma denúncia afirmando que uma jovem de 16 anos precisava de "ajuda urgente". Segundo setores da imprensa, foi a própria moça que ligou para as autoridades para denunciar que estava sofrendo abusos. A Polícia conseguiu uma autorização judicial para chegar a Dale Barlow, de 50 anos, que supostamente se casou com a jovem e teria com ela um filho de oito meses, também procurado pelas autoridades. Após a invasão do rancho, a Polícia recuperou cerca de 52 meninas, de 6 meses a 17 anos de idade. Posteriormente, o número de menores de idade evacuados chegou a 219. Muitas meninas ficaram sob custódia judicial do Estado por terem sofrido abuso ou por estarem em risco de sofrê-lo. As outras jovens foram levadas para centros de amparo. Uma porta-voz da agência de Serviços para a Proteção Infantil destacou a difícil situação na qual estão as meninas resgatadas, pois muitas não conhecem outra vida a não ser a do rancho. "Estamos lidando com meninas que não estão acostumadas à vida exterior, por isto estamos sendo muito sensíveis a suas necessidades", declarou o representante à imprensa. Por enquanto, prossegue o rastreamento das instalações do rancho, que ocupa uma área de quase oito quilômetros quadrados, e se desconhece se foram realizadas prisões. Jeffs este preso em Kingman, Arizona, onde espera pelo julgamento por incesto e conduta sexual com menor, por ter arranjado dois casamentos entre duas adolescentes e dois de seus parentes (homens mais velhos).  Matéria atualizada às 20h25 para acréscimo de informações

Tudo o que sabemos sobre:
Mórmonsabuso de menor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.