Jonathan Ernst/ Reuters - 17/12/10
Jonathan Ernst/ Reuters - 17/12/10

Michelle Obama presta serviço voluntário no Natal

De férias com a família em Honolulu, primeira-dama dos EUA atende crianças pelo telefone

Reuters

25 de dezembro de 2010 | 01h13

A pequena Juliana-Rose Hatcher, de oito anos, seguiu o Papai Noel toda a sexta-feira, 24, com a ajuda do NORAD - serviço que liga voluntários a pessoas que buscam falar com o bom velhinho -, antes de ela ter a inesperada ajuda de Michelle Obama.

 

Enquanto seu marido, o presidente Barack Obama, e as filhas Sasha e Malia aproveitavam a praia nas suas férias de Natal no Havaí, a primeira-dama dos Estados Unidos ficou para trás para responder chamadas de crianças tentando encontrar o paradeiro do Papai Noel.

 

"Ela me perguntou o que eu queria do Papai Noel e eu disse a ela um MP3 player, e ela disse que sua filha queria um MP3 player também", disse Juliana, da Carolina do Sul, à Reuters.

 

Sua mãe, Jennifer, disse que primeiro eles pensaram que era uma piada ou uma mensagem pré-gravada mas rapidamente entenderam "uau, é realmente, realmente é ela".

 

A Casa Branca disse que a primeira-dama passou cerca de 40 minutos conversando com a criança que chamou pelo telefone.

 

NORAD, uma organização de defesa do espaço aéreo e marítimo, norte-americana e canadense, anuncia o uso de radar, satélites, câmeras de alta velocidade digitais e caças para encontrar o Papai Noel.

 

 

 

 

 

Um mapa global mostra onde está o Papai Noel, junto com links para vídeos do bom velhinho sobrevoando diversas cidades do mundo e jogos em sete línguas.

 

Austin Futch, de 10 anos, de Memphis no Tennessee, disse que ele perguntou à primeira-dama sobre poucas coisas em sua mente sobre a vida na Casa Branca.

 

Ele precisava saber como se sentiria com agentes do Serviço Secreto em seu redor - o que não seria tão mal porque eles são caras legais - e como seria difícil ser casada com o presidente.

 

"Não, ele é um homem muito bom", disse Michelle Obama a ele, de acordo com a transcrição das chamadas liberada pela Casa Branca.

 

"Eu digo, é um trabalho duro e à vezes você precisa fazer de tudo para ajudá-lo, mas é muito fácil ser casada com ele. Ele tem um tipo de graça - graça para estar junto."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.