Rogelio V. Solis/Efe
Rogelio V. Solis/Efe

Milhares de pessoas são evacuadas em Memphis pela alta do rio Mississipi

Foram retiradas 1.300 famílias nas áreas de menos elevação da cidade; a previsão é que as águas cheguem a 16,5m

Efe,

10 de maio de 2011 | 01h41

WASHINGTON - Milhares de pessoas foram evacuadas nesta segunda-feira, 9, em Memphis, no estado do Tennessee, devido às inundações pelo aumento do nível do rio Mississipi.

 

Até o momento, 1.300 famílias foram evacuadas nas áreas de menor elevação da cidade, enquanto locais famosos como Graceland, a residência-museu de Elvis Presley e a Beale Street, famosa por seu "blues", não foram afetados.

 

A previsão é que as águas cheguem ao seu maior nível ao longo desta segunda-feira ou na manhã de terça-feira, quando podem superar 16,5 metros, acima dos 14,8 metros alcançados em fevereiro de 1937, durante uma das piores inundações no rio Mississipi.

 

As autoridades da cidade indicaram que o sistema de diques resistirá à pressão das águas, mas advertiram a população do perigo de ratos e serpentes, que podem buscar refúgio nas zonas mais altas.

 

O Corpo de Engenheiros do Exército indicou que abrirá um canal de desvio cerca de 45 quilômetros ao norte de Nova Orleans, no estado da Louisiana, para reduzir o volume e a velocidade da alta do nível do maior rio da América do Norte.

 

O Serviço Meteorológico Nacional indicou que não são esperadas chuvas na região de Memphis até quinta-feira e que as altas temperaturas podem ajudar a conter a alta do Mississipi em sua passagem pela cidade entre segunda e terça-feira.

 

Do outro lado do rio, as autoridades do Arkansas, estado onde as tempestades e inundações causaram a morte de 23 pessoas desde meados de abril, avaliam nesta segunda-feira os danos causados em West Memphis, por onde transita 41% de toda a drenagem de água dos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.