Missão dos EUA na Geórgia dará ajuda, mas não protegerá portos

A missão norte-americana na Geórgiapretende fornecer ajuda humanitária ao país depois do conflitocom a Rússia e não proteger seus portos, afirmou naquinta-feira Dana Perino, porta-voz do governo dos EUA. "Não estamos lá para defender os portos. Estamos lá parafornecer ajuda humanitária", disse. Os comentários de Perino aparecem depois de relatos sobresoldados russos terem ingressado em algumas cidades georgianas,entre as quais Poti, que fica à beira do mar Negro. Segundo a porta-voz, os EUA não tiveram nenhum problema comos russos sobre o envio de suprimentos médicos e humanitáriospara a Geórgia. Na manhã de quinta-feira, o presidente norte-americano,George W. Bush, conversou com os líderes da Ucrânia e daLituânia a respeito da crise no território georgiano, dissePerino. "O presidente sublinhou a solidariedade dos EUA com aGeórgia e falou sobre nossos esforços diplomáticos ehumanitários", afirmou. "Todos os líderes chamaram atenção para a importância dedar apoio a uma Geórgia livre e soberana e de defender aintegridade territorial dela. E concordaram sobre a necessidadede a Rússia colocar fim à violência, observar o cessar-fogo eretirar suas forças," disse Perino. A fim de reunir-se com Bush, a secretária norte-americanade Estado, Condoleezza Rice, viajará para Crawford (Texas), nanoite de sexta-feira, ao regressar de sua visita à França e àGeórgia. No sábado, o presidente dos EUA deve realizar umaconsulta a seu gabinete nacional de segurança, afirmou aporta-voz. (Reportagem de Tabassum Zakaria)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.