Monitores da UE iniciam missão e aguardam acesso à Geórgia

Observadores da União Européia começam na quarta-feira a monitorar o cessar-fogo entre Rússia e Geórgia, após a breve guerra em agosto, mas ainda sem acesso à zona de conflito controlada pelos russos. Pelos termos da trégua mediada pela França, os mais de 200 monitores devem inicialmente fiscalizar a retirada das tropas russa de duas "zonas de segurança" estabelecidas em território georgiano, em torno das regiões separatistas da Ossétia do Sul e Abkházia, pivôs da disputa e agora reconhecidas como países independentes por Moscou. A Rússia tem até o dia 10 para retirar suas forças, mas comandantes militares disseram na terça-feira que os monitores, civis e desarmados, só poderão chegar até os limites das ditas "zonas de segurança". "A partir de amanhã, os representantes da União Européia começarão a conduzir o monitoramento até as fronteiras meridionais da zona de segurança", disse Vitaly Manushko, porta-voz das forças russas em torno da Ossétia do Sul. A missão da UE pretende coordenar uma retirada gradual das forças russas e sua substituição simultânea pela política georgiana, evitando um vácuo que poderia ser explorado por milícias existentes na região. A Rússia invadiu a Geórgia depois que Tbilisi tentou retomar militarmente o controle da Ossétia do Sul, que desde a década passada já gozava de autonomia sob a proteção de Moscou. O Ocidente reagiu à suposta desproporção da reação russa, mas não impôs sanções. Uma fonte do ministério russo da Defesa disse que o país não está prejudicando a entrada da missão da UE. "A decisão não significa qualquer proibição sobre o monitoramento por parte de representantes da UE na zona-tampão", disse a fonte. "Mas no momento os detalhes não foram acertados, e portanto a decisão sobre quando isso vai começar será tomada mais tarde." Em visita à Geórgia, o chefe da política externa da UE, Javier Solana, disse acreditar que a operação dos monitores possa começar na quarta-feira. "Temos de arranjar com o comandante das forças russas a maneira pela qual isso será feito. Não será feito em 24 horas", disse ele em entrevista coletiva. A Geórgia disse que a Rússia tenta "prolongar o processo", mas que a contagem regressiva de dez dias vai começar na quarta-feira. A Rússia rejeita a entrada de monitores nas duas repúblicas separatistas, onde pretende manter um contingente permanente de mais de 7.000 soldados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.