Morte de Bin Laden pode mudar política dos EUA no Afeganistão, diz senador

'É fundamentalmente insustentável continuar gastando US$ 10 bilhões por mês em uma operação militar em massa sem final à vista', destacou John Kerry

Efe,

11 de maio de 2011 | 01h55

WASHINGTON - A morte do terrorista Osama bin Laden representa uma oportunidade para mudança da política dos Estados Unidos no Afeganistão, que poderá permitir a retirada das tropas aliadas do país asiático, afirmou na terça-feira, 10, o senador democrata John Kerry, que viajará à região nos próximos dias.

"A morte de Bin Laden (...) oferece uma oportunidade de mudança para ganhar velocidade rumo a uma solução política no Afeganistão que contribua para uma maior estabilidade na região e permita, em última instância, a retirada das tropas aliadas", explicou o senador democrata.

 

 

Veja também:
video 
'Mundo ainda tem motivos para ter medo'
blog OPINIÃO: Depois de Osama Bin Laden
especialESPECIAL: Passo a passo da caçada ao terrorista

 

 

Presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, Kerry fez essas declarações em uma audiência realizada na terça-feira, 10, no Congresso americano sobre Afeganistão e Paquistão.

No entanto, ele descartou uma retirada unilateral e precipitada do Afeganistão, mas ressaltou: "Devemos trabalhar para o objetivo de causar o menor impacto possível e deixar os afegãos a cargo da segurança".

Pouco depois da audiência, funcionários do governo dos EUA informaram que, quem quer que fosse o candidato democrata à Presidência em 2004, viajaria nos próximos dias ao Paquistão e Afeganistão.

Trata-se da primeira visita de um congressista dos EUA à região após a operação militar americana que matou há dez dias o chefe da Al Qaeda, em uma residência na localidade paquistanesa de Abbottabad.

A coalizão internacional liderada pelos EUA conta atualmente com cerca de 140 mil soldados no Afeganistão, dos quais dois terços são americanos, e prometeu uma retirada das forças de combate até 2014.

"É fundamentalmente insustentável continuar gastando US$ 10 bilhões por mês em uma operação militar em massa sem final à vista", destacou Kerry.

Tudo o que sabemos sobre:
mortebi ladenjohn kerry

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.