Motorista diz que Bin Laden gostou de resultado do 11/9

Líder da Al-Qaeda tem certeza que avião que caiu na Pensilvânia foi abatido, afirma o motorista do terrorista

Reuters,

23 de julho de 2008 | 17h49

O motorista de Osama bin Laden ouviu uma conversa em que o líder da Al-Qaeda dizia estar satisfeito com o resultado dos atentados de 11 de setembro de 2001 e ter certeza de que o quarto avião, que caiu na Pensilvânia, havia sido abatido, segundo depoimento de um interrogador no tribunal militar de Guantánamo. O ex-agente do FBI Ali Soufan foi chamado para depor porque a acusação quer provar que o iemenita Salim Hamdan tinha muita proximidade com a liderança da Al-Qaeda.   Veja também: Motorista de Bin Laden sabia que Capitólio era 4.º alvo do 11/09  Hamdan é o primeiro réu do novo sistema de tribunais de crimes de guerra instalado na base naval norte-americana de Guantánamo, encravada em Cuba. Ele pode ser condenado à prisão perpétua. Pelas regras do tribunal, muito criticadas por entidades de direitos humanos, todos os seis jurados são oficiais militares.   "Bin Laden ficou contente com os resultados e (Hamdan) ouviu Bin Laden dizer que não esperava que a operação fosse tão bem-sucedida", disse Ali Soufan. "Ele achava que só 1.000 a 1.500 pessoas iriam perecer, então ficou feliz com os resultados."       Somando as vítimas em Nova York, Washington e Pensilvânia, o 11 de Setembro deixou quase 3 mil mortos. Segundo o suposto relato de Hamdan citado pelo ex-agente, Bin Laden teria dito a seu adjunto, Ayman Al Zawahiri, que "se eles não tivessem abatido aquele quarto avião (sobre a Pensilvânia) ele teria atingido a cúpula."   Soufan interpreta que ele se referisse à Casa Branca ou ao Congresso. Para ilustrar a proximidade do réu com a liderança da Al-Qaeda, Soufan disse que Bin Laden lhe dava conselhos matrimoniais, sugerindo que voltasse ao Iêmen e encontrasse uma moça "de uma família pia e religiosa". Quando Hamdan voltou casado, Bin Laden teria dado uma festa. "Isso mostra uma relação próxima, uma afinidade", afirmou.   Soufan interrogou Hamdan depois da prisão deste, ocorrida em 2002 no Afeganistão. A promotoria diz que ele era motorista e guarda-costas de Bin Laden, o que justificaria sua condenação por associação com o terrorismo. A defesa diz que ele trabalhava na garagem do líder da Al-Qaeda porque precisava do salário.       De acordo com o depoimento de Soufan, Bin Laden conhecia os sequestradores do 11 de Setembro e falou com eles antes do ataque. "Elogiou sua coragem e pediu a Deus que os aceitasse como mártires", afirmou a testemunha.  Em uma série de fotos e vídeos mostrados pela acusação, Soufan identificou Bin Laden e Hamdan juntos. Numa delas, o réu portava uma metralhadora. "Quem chega assim tão perto de Bin Laden?", perguntou o promotor John Murphy. "Pessoas em quem ele confia sua vida, ao que parece", respondeu Soufan.  

Tudo o que sabemos sobre:
EUAGuantánamo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.