Mulher é presa acusada de ameaçar Michelle Obama

Detida no Havaí, onde família Obama planeja fazer uma visita, Kristy Lee Roshia também teria agredido federal

Agência Estado, Associated Press

23 de dezembro de 2009 | 13h27

Uma mulher suspeita de dizer ao Serviço Secreto dos Estados Unidos que iria "matar" a primeira-dama Michelle Obama está presa. Kristy Lee Roshia, de 35 anos, foi acusada por ameaçar um membro da família do presidente e por agredir um agente federal, ao ser presa no sábado, perto da casa em Kailua, onde a família Obama planeja passar, nesta semana, sua visita ao Havaí.

Kristy telefonou para o escritório do Serviço Secreto em Boston, no mês passado, e afirmou à recepcionista: "Eu quero matar Michelle Obama." Também disse "eu vou matar Marines", segundo o serviço secreto. Durante a mesma ligação, ela descreveu como mataria Michelle: a tiros.

A mulher presa tem um histórico de enviar mensagens longas e confusas, cartas de amor e fotografias dela mesma para o serviço secreto, de acordo com um documento da instituição. Em 2004, ela disse à agência que "apesar de sua missão ser assassinar o presidente, ela não tinha desejo de machucá-lo". Na época, o presidente era George W. Bush.

O documento afirma que Kristy reconheceu ter ameaçado Michelle Obama antes de sua prisão. Também nota que ela sabia onde a família presidencial ficaria no Havaí. Kristy disse em depoimento que sua viagem ao Havaí foi feita em setembro, para "proteger Obama". Ela responderá por agredir um agente do serviço secreto quando foi presa. Por enquanto, está detida sem direito a fiança.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMichelle Obamaameaçaprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.