Mulher é presa no Iêmen sob suspeita de enviar bombas para os EUA

Ela estaria envolvida com os documentos falsos usados na conspiração para remeter as bombas

Associated Press, AP

30 de outubro de 2010 | 16h13

Autoridades iemenitas prenderam neste sábado uma mulher suspeita de enviar duas bombas, encontradas em aviões de carga, para os Estados Unidos. As buscas continuam por mais suspeitos que, acredita-se, estariam ligados à rede terrorista Al-Qaeda.

 

Veja também:

linkBombas enviadas aos EUA poderiam ter derrubado avião, dizem britânicos

linkEstados Unidos e Iêmen iniciam caçada a autores de explosivos

linkEUA e aliados dizem ter interceptado pacotes-bomba

 

As autoridades dizem que a mulher foi detida como parte da caçada humana, à medida que ocorrem as buscas por suspeitos que teriam usados documentos falsificados e cédulas de identidade que tiveram um papel na conspiração frustrada na sexta-feira.

 

Investigadores nos Estados Unidos afirmam que as bombas tinham como destinatário duas sinagogas da cidade de Chicago, trazendo temores de que a Al-Qaeda estaria voltando a visar alvos ocidentais.

 

O presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, disse a jornalistas na capital, Sanaa, que os Estados Unidos e os Emirados Árabes Unidos lhe forneceram informações que ajudaram a identificar a mulher como um dos suspeitos. Eles afirmou que forças de segurança tinham uma casa cercada e que acreditava que a mulher estava sob custódia.

 

Dois policiais informaram mais tarde que a mulher havia sido presa.

 

De acordo com autoridades, os explosivos foram encontrados em encomendas em Dubai e na Grã-Bretanha. Tratava-se de cartuchos para impressoras que continham em seu interior dispositivos eletrônicos e fios. Aviões cargueiros da empresa UPS, usada para enviar as supostas bombas, foram vasculhados nos aeroportos da Filadélfia e de Newark, perto de Nova York.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.