Na África, Hillary ressalta vantagens de parceria com os EUA

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, promoveu nesta sexta-feira os benefícios de uma parceria econômica norte-americana para a África, esperando levar a mensagem dos EUA a um continente com o qual a China está construindo fortes laços de assistência e de investimentos.

ANDREW QUINN, REUTERS

10 de junho de 2011 | 16h19

Hillary chegou à Zâmbia no início de uma viagem de cinco dias à África. Ela também passará pela Tanzânia e pela Etiópia a fim de salientar a iniciativa do governo Obama para ajudar os países africanos em desafios que vão do HIV/Aids à segurança alimentar e a acelerar o crescimento econômico.

"Hoje, a África está numa posição forte para reforçar esse progresso", disse Hillary num discurso em Lusaka, ressaltando que o continente agora abriga os "emergentes dos mercados emergentes".

Ela afirmou, no entanto, que tanto a África como os EUA precisam trabalhar para ampliar e aprofundar os laços econômicos que ainda são dominados pela riqueza petrolífera da África e não beneficiam os mais pobres.

"A exportação mais comum de todas ainda é um barril de petróleo", disse a secretária.

A viagem de Hillary foi ofuscada pela notícia de que ela tem discutido com a Casa Branca sobre a possibilidade de no ano que vem se tornar a primeira mulher a chefiar o Banco Mundial, o que poderia colocá-la como "carta fora do baralho" num momento de grandes desafios diplomáticos para os EUA.

A Casa Branca e o Departamento de Estado negaram a notícia, dada com exclusividade pela Reuters na quita-feira, citando três fontes familiares com as discussões. Ao serem comunicados sobre a negativa oficial, as fontes disseram que a história permanece precisa.

Em Lusaka, Hillary foi recebida por empresárias africanas que se beneficiaram com a ajuda dos EUA em um encontro do AGOA, o programa norte-americano transformado em lei pelo marido da secretária, o ex-presidente Bill Clinton, em 2000 para dar preferência comercial a cerca de 37 países africanos.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAFRICAHILLARY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.