Na ONU, premiê iraquiano alerta para 'desastre' na região

Maliki enfatiza avanços do seu governo segurança do país e pede apoio de vizinhos na reconciliação nacional

Associated Press,

26 de setembro de 2007 | 14h51

Em seu discurso à Assembléia Geral da ONU, o primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki, disse nesta quarta-feira, 26, que o contínuo fluxo de armas, militantes suicidas e fundos terroristas pela fronteira do Iraque resultará em "conseqüências desastrosas" para a região e o mundo.Maliki fez o pronunciamento depois de se encontrar na terça-feira, 25, com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. Ele exortou a comunidade internacional, e particularmente países da região, a apoiarem o processo de reconciliação nacional no país.  "A reconciliação nacional é mais forte do que armas e terrorismo", disse ele. "Hoje nos sentimos otimistas porque os países da região perceberam o perigo dos ataques terroristas contra o Iraque, e que não é do interesse deles que o Iraque seja fraco."Maliki enfatizou o sucesso da sua administração em reduzir a violência sectária e alcançar a estabilidade em algumas regiões, como a província de Anbar. Segundo o premiê, centenas de famílias puderam retornar para suas casas na região.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUIraqueNouri al-Maliki

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.