Nasce filho de sobrevivente de massacre nos Estados Unidos

Uma mulher de 21 anos que escapou ilesa do massacre no cinema de Aurora, nos Estados Unidos, deu à luz um menino, enquanto seu marido segue internado no mesmo hospital, em coma induzido, depois de levar um tiro na cabeça.

Reuters

24 de julho de 2012 | 16h54

Katie Medley e seu marido, Caleb, de 23 anos, foram com fantasias alusivas ao Batman para a pré-estreia do novo filme da série, na noite de quinta-feira passada, no interior do Colorado.

Na mesma sessão estava James Eagan Holmes, de 24 anos, que usava colete à prova de balas e máscara antigás. Ele lançou uma bomba de gás na sala e atirou aleatoriamente contra os espectadores, matando 12 e ferindo 58.

Nesta terça-feira, 20 pessoas permanecem internadas, sendo 7 em estado crítico e 2 em estado grave.

Holmes, que foi preso no estacionamento atrás do cinema, esteve na segunda-feira num tribunal, onde pareceu sonolento e confuso. A próxima audiência, com a formalização das acusações, foi marcada para segunda-feira.

Caleb Medley, aspirante a comediante, é um dos pacientes em estado crítico no Hospital da Universidade do Colorado, em Denver.

Um site montado para angariar fundos para seu tratamento, o www.calebmedley.com/help, disse que ele perdeu o olho direito, sofreu danos cerebrais e está em coma induzido. Katie Medley pariu o menino Hugo Jackson Medley nesse mesmo hospital, às 7h11 (hora local, 10h11 em Brasília).

As autoridades não conseguiram estabelecer as motivações de Holmes, ex-pós-graduando em neurociência. Além do massacre, ele deixou armadilhas explosivas no apartamento onde mora. Especialistas fizeram uma explosão controlada na manhã de sábado.

Falando à CNN, um ex-agente do FBI, Ray Lopez, disse que Holmes havia transformado seu apartamento em uma "casa bomba", do tipo só visto "em lugares como o Iraque e o Afeganistão".

Entre os mortos no cinema estavam veteranos de guerra, uma aspirante a locutora esportiva que já havia sobrevivido a um tiroteio num shopping de Toronto semanas atrás e uma menina de 6 anos.

(Reportagem de Mary Slosson e Chris Francescani)

Mais conteúdo sobre:
EUACOLORADOSOBREVIVENTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.