Navio dos EUA chega à Geórgia; tropas russas permanecem

Um navio de guerra dos EstadosUnidos entregou no domingo ajuda humanitária para vítimas daGeórgia na curta guerra com a Rússia, enquanto Moscou ignora ospedidos ocidentais para retirar o restante de suas tropas dopaís do Cáucaso. A Rússia afirma que as tropas residuais são para amanutenção da paz e para proteger as províncias separatistas epró-Moscou da Ossétia do Sul e Abkhazia. Moscou retirou ogrosso de sua forças do coração da Geórgia na sexta-feira. Na principal ferrovia da Geórgia, que vai de leste a oeste,um trem carregado de combustível explodiu no domingo perto dacidade central de Gori após aparentemente atingir uma minaterrestre, lançando uma nuvem de fumaça negra no céu. O governo da Geórgia está avaliando o tamanho do prejuízopela explosão do trem, que poderia interromper a importanterota comercial de exportação de petróleo do Azerbaijão paramercados europeus. O primeiro-ministro Lado Gurgenidze disse à Reuters portelefone: "A ferrovia é vital não apenas para a economia daGeórgia, mas para a economia dos países vizinhos." O conflito Rússia-Geórgia explodiu de 7 para 8 de agosto,quando Tbilisi tentou retomar a Ossétia do Sul. Acontra-ofensiva russa entrou em território da Geórgia, cruzandosua principal rodovia e se aproximando do oleoduto que vem doAzerbaijão, protegido pelo Ocidente. As tropas russas também se moveram para a Abkhazia, outraregião separatista, no Mar Negro. Centenas de pessoas forammortas, milhares deslocadas e casas e infra-estruturadestruídas durante os combates. Em Batumi, 80 quilômetros ao sul de outro porto, Poti, ondeas tropas russas ainda permanecem, um guindaste gigantedescarregou 55 toneladas de ajuda humanitária do navio USSMcFaul. Para enfatizar o apoio norte-americano à Geórgia, outrosdois navios dos Estados Unidos são esperados para chegar aoporto após o destróier. Um avião cargueiro dos Estados Unidostambém entregou ajuda, e os navios estarão levando colchões ealimentos. "Os Estados Unidos são nossos maiores amigos. Eles chegaramnesse momento difícil; isso significa que não estamos sós",disse a jornalistas o ministro da Defesa da Geórgia, DavidKezerashvili. O mais importante navio da frota russa no Mar Negro, oMoskva, não está mais na mesma área, tendo retornado para suabase na Ucrânia, no sábado, disseram agências de notíciasrussas. A ação russa atingiu outras ex-repúblicas soviéticas. Emclaro recado a Moscou, o presidente da Ucrânia ViktorYushchenko disse no domingo que seu país --onde vive uma grandepopulação de origem russa-- deve reforçar suas defesas eacelerar seus esforços para se juntar à Otan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.