No Congresso dos EUA, Sotomayor explica comentário racial

Sonia Sotomayor, indicada para a Suprema Corte dos Estados Unidos pelo presidente Barack Obama, defendeu uma de suas declarações mais polêmicas na terça-feira, afirmando que nunca quis sugerir que uma mulher de origem hispânica seria melhor como juiz do que um homem branco.

ANDREW QUINN E JAMES VICINI, REUTERS

14 de julho de 2009 | 16h03

Cotada a se tornar a primeira juíza hispânica na principal corte dos EUA, Sotomayor enfrentou uma dura sabatina no Comitê Judicial do Senado, que questionou seus pontos de vista sobre vários temas, indo das questões raciais e aborto a até lei antitruste.

Os democratas consideram histórica a decisão de Obama indicar Sotomayor e enfatizam a sua longa carreira como promotora pública e desembargadora. Mas os republicanos concentram-se em acusações de que ela poderá ser tendenciosa nas decisões.

Os republicanos buscaram munição em um discurso proferido por ela em 2001, no qual disse que uma "latina sábia" poderia chegar a uma decisão judicial melhor do que um homem branco, e em uma decisão da corte de apelações na qual defendeu o direito de uma cidade de cancelar concursos para bombeiros que não tivessem candidatos suficientes provenientes das minorias.

Ao explicar seus comentários sobre a "latina sábia" na audiência para a sua confirmação no cargo, Sotomayor disse ter sido mal compreendida e que queria apenas inspirar jovens hispânicos e mulheres a entrarem para o Direito.

"Não acredito que nenhum grupo étnico e racial ou de gênero tenha vantagem no julgamento justo", afirmou ela, acrescentando que todas as pessoas têm oportunidades iguais para serem bons ou maus juízes "independentemente de sua procedência ou experiência de vida".

A maioria dos observadores diz que a aprovação de Sotomayor como uma dos nove integrantes da Suprema Corte está praticamente garantida. Mas ela enfrentava um duro questionamento dos republicanos, em especial sobre o caso dos bombeiros. A decisão dela, nesse caso, no final foi derrubada pela Suprema Corte.

Tudo o que sabemos sobre:
EUASUPREMACORTESOTOMAYOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.