Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

No rádio, Obama pede apoio para plano de estímulo à economia

O presidente dos Estados Unidos Barack Obama garantiu neste sábado que criará empregos, melhorará a saúde e desenhará o fundamento para uso de energia limpa no futuro, enquanto procura apoio público para um pacote de estímulo econômico de 825 bilhões de dólares, que alguns legisladores temem ser muito caro. Argumentando que o número de pessoas que entraram na fila do seguro-desemprego nesta semana atingiu o maior nível dos últimos 26 anos, Obama alertou em seu discurso semanal de rádio que o desemprego no país pode atingir dois dígitos e que a economia pode perder 1 trilhão de dólares de sua capacidade se nada for feito. "Se não agirmos audaciosamente e prontamente, uma situação ruim pode ficar dramaticamente pior", afirmou Obama em seu primeiro discurso de rádio como presidente. Ele disse esperar que o plano de estímulo econômico seja aprovado em um mês. Obama assumiu o governo na terça-feira com os EUA em sua pior crise econômica desde a Grande Depressão de 1929. O discurso adicionou pressão pela aprovação do pacote no Congresso. O presidente acredita que o plano tirará o país da recessão. Ele se encontrou com líderes republicanos e democratas na Casa Branca na sexta-feira e planeja se reunir com republicanos no Capitólio na terça-feira, para tentar chegar a um consenso. Obama disse que o pacote salvará ou criará de três a quatro milhões de empregos por investir em itens como desenvolvimento de energia limpa, educação e maior eficiência da saúde. O presidente afirmou que pretende dobrar a capacidade dos EUA de gerar energia renovável como a eólica, a solar e os biocombustíveis, e também falou sobre a possível construção de uma nova rede elétrica, com 4.828 quilômetros de linhas de transmissão. "Economizaremos dois bilhões de dólares dos contribuintes por ano ao tornar 75 por cento dos prédios federais mais eficientes em termos de energia," afirmou. (Edição de Peter Cooney)

DAVID ALEXANDER, REUTERS

24 de janeiro de 2009 | 11h00

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.