Norte-americana é condenada a oito anos de prisão por apoio a terrorismo

Uma mulher do Estado norte-americano do Colorado que se converteu ao islamismo e viajou à Irlanda para se juntar a um homem que ela acreditava estar treinando para operações terroristas foi condenada a oito anos de prisão nesta quarta-feira.

JOHN SHIFFMAN, Reuters

08 de janeiro de 2014 | 17h28

Jamie Paulin Ramirez, de 35 anos, declarou-se culpada em um tribunal federal da Filadélfia de fornecer apoio material para terroristas.

Ela foi apelidada de "Jihad Jamie" pela mídia depois de sua prisão em 2010, porque se juntou a um grupo na Irlanda que incluía uma outra mulher norte-americana branca e loira, Colleen LaRose, que se autodenominava "Jihad Jane".

As duas mulheres foram atraídas para a Europa por extremistas islâmicos que esperavam usar a aparência de ambas e os passaportes dos Estados Unidos que possuíam para promover atentados, disseram promotores.

LaRose foi sentenciada a 10 anos de prisão na segunda-feira pelo seu papel num complô da Al Qaeda para matar um artista sueco que ofendeu os muçulmanos ao colocar a cabeça do Profeta Maomé no corpo de um cachorro.

Ramirez não estava envolvida neste complô, mas se declarou culpada da acusação menos grave de fornecer apoio material ao terrorismo.

Os promotores, que pediam condenação de pelo menos 20 anos para LaRose, queriam que Ramirez fosse sentenciada a no mínimo 10 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAJIHADJAMIEOITOANOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.