Novo livro sobre Watergate diz que John Dean ordenou espionagem

Um novo livro sobre o escândaloresponsável por derrubar o presidente Richard Nixon acusa oentão conselheiro da Casa Branca John Dean de ter ordenado aoperação de espionagem ilegal em 1972 conhecida como Watergate,algo que Dean contestou de forma veemente. James Rosen, correspondente da Fox News em Washington,disse que a acusação baseava-se em entrevistas e em umaexaustiva reavaliação de documentos com vistas a escrever olivro "The Strong Man: John Mitchell and the Secrets ofWatergate" (O Homem Forte: John Mitchell e os Segredos doWatergate). O livro, uma biografia do procurador-geral de Nixon, JohnMitchell, uma figura importante do caso, está sendo lançadonesta semana. "Espero que esse livro esteja sendo vendido como ficção.Porque se esse não for o caso, então os leitores estão sendoenganados", afirmou Dean, que se tornou uma testemunhaimportante da acusação e que confessou ter cometido o crime deobstrução da Justiça em meio ao caso. O escândalo do Watergate começou com a invasão do comitê decampanha do Partido Democrata no Watergate Hotel, emWashington, no dia 17 de junho de 1972. O objetivo da operação era grampear os telefones dosdemocratas. Inicialmente negado pela Casa Branca, o escândalo cresceudevagar e não afetou o resultado das eleições presidenciaisdaquele ano, vencidas com facilidade por Nixon (que na disputacom o senador democrata George McGovern conquistou um segundomandato presidencial) No entanto, em 1974, investigadores conseguiram conectar oWatergate e outros vários escândalos políticos ao governonorte-americano, e Nixon viu-se obrigado a renunciar, no dia 9de agosto de 1974. Dean ficou famoso por ter dito ao então presidente, em umaconversa mantida pelos dois no Salão Oval e que foi gravada,que o Watergate era "um câncer perto da Presidência, que estácrescendo". Rosen atribuiu a outra figura do escândalo, Jeb Magruder, adeclaração de que "o primeiro plano que recebemos foi iniciadopor Dean". Dean afirmou à Reuters: "As conclusões dele são patéticas.Rosen simplesmente ignorou os testemunhos juramentados quediziam o contrário, entre os quais o meu testemunho". O escritor disse que Dean sempre negou ter ordenado ainvasão do comitê democrata. Outros livros e estudos sobre o Watergate apontaramMitchell como o responsável por dar a ordem para a operação.Mitchell cumpriu uma pena de 19 meses de prisão devido a suaparticipação no Watergate.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.