Novo sistema de defesa protege aliados, diz Hillary

Em artigo, secretária de Estado afirma que reformulação do plano antimísseis amplia segurança

Efe,

21 de setembro de 2009 | 08h13

 A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, defendeu o novo sistema de defesa de mísseis na Europa porque melhora a capacidade de seu país de proteger os interesses americanos e também os seus aliados. Em artigo publicado nesta segunda-feira, 21, no "Financial Times", Hillary considera que se trata de um sistema "mais forte e global", que responde à análise sobre a ameaça que representa o programa de mísseis balísticos do Irã.

 

Segundo a secretária de Estado, os EUA não estão se afastando de seus aliados, mas desdobram um sistema que melhorará a segurança aliada e a cooperação com a Otan. "E é uma decisão que deixará os EUA mais fortes e mais capazes de defender nossas tropas, nossos interesses, e nossos aliados", especifica a chefe da diplomacia americana.

 

 

 

O governo dos EUA decidiu abandonar o escudo antimísseis que o ex-presidente George W. Bush projetava na Europa do Leste para substituí-lo por um sistema "com um novo enfoque" e mais ajustado às ameaças iranianas.

 

Em seu artigo, Hillary destaca que os EUA seguirão cooperando com a Polônia e a República Checa - países que tinham mostrado disposição a abrigar parte do anterior sistema -, e ressaltou que seu país tem profundos vínculos históricos, econômicos e culturais com essas duas nações.

 

"Durante 60 anos, a Aliança Atlântica foi uma força de paz, prosperidade e segurança na Europa e no mundo todo devido ao compromisso de segurança coletiva consagrado no Artigo V de sua carta: Um ataque contra um aliado é um ataque contra todos", assinala.

 

A secretária de Estado disse há poucos dias que o novo sistema, que desdobrará interceptores em terra e mar, melhorará a capacidade defensiva dos EUA contra possíveis mísseis procedentes do Irã.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAescudo antimísseisHillary Clinton

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.