Stephen Crowley/The New York Times
Stephen Crowley/The New York Times

'Nunca deixarei de lutar por vocês', diz Obama em discurso

Presidente retoma retórica populista para acalmar população desempregada após derrota no Senado

Reuters,

22 de janeiro de 2010 | 19h14

O presidente Barack Obama disse nesta sexta-feira, 21, ao final de uma dura semana para seu governo, que seguirá lutando para criar empregos e aprovar a reforma da saúde.

 

Um ano de Obama:

linkAnálise: Altas expectativas prejudicaram democrata

linkEconomia: Recuperação não é consenso

linkEntrevista: Crescimento será menor, diz Nobel

blog Patrícia Campos Mello: Do messiânico ao prosaico

especial Especial: Dez momentos do primeiro ano 

documento Artigo: Falta ação concreta a Obama

 

Em declarações em Ohio, Obama ofereceu uma vista geral de alguns temas importantes que serão abordados na próxima quarta-feira, durante seu primeiro discurso do Estado da União.

 

"Nunca deixarei de lutar por vocês", afirmou o mandatário ao público em no ex-cinturão industrial que cerca o lago Erie.

 

 Obama teve que se defender esta semana, quando a eleição de um senador republicano para o estado de Massachusetts acabou com a supermaioria democrata no Senado, permitindo à oposição bloquear a legislação da saúde. A derrota imporá obstáculos a ambiciosa agenda legislativa do chefe de estado norte-americano.

 

Obama, que tem recebido críticas por dar atenção demasiada à reforma da saúde, apesar da taxa de desemprego em 10% entre os norte-americanos, defendeu sua postura e prometeu seguir adiante com a lei.

 

"Sei que há pessoas em Washington que entraram um pouco em pânico esta semana, tentando determinar o que significa a eleição em Massachusetts para a reforma dos seguros de saúde", disse.

 

"Não vou retroceder só porque é difícil. Vamos seguir trabalhando para terminar isto com os democratas, os republicanos, todos os que estiverem dispostos a fazê-lo", acrescentou o presidente.

 

A visita de Obama a Ohio refletiu um esforço para promover o emprego, apesar do presidente estar tentando superar o revés político que afetou toda sua semana.

 

"Nunca deixaria de lutar para que o emprego volte a Elyria. Nunca deixarei de lutar por uma economia na qual a responsabilidade seja honrada e onde serão criados empregos amanhã", afirmou.

 

Obama, que reconheceu ter feito um trabalho menor para comunicar o estado da economia, restaurou uma retórica mais populista desde a perda do posto no Senado. Falou contra os grandes bancos na quinta, ao expressar seus planos de controlar seus gastos excessivos, mudando a atenção para a ansiedade nacional pelo desemprego nesta sexta.

 

Os residentes locais estavam esperando escutar o que o presidente podia fazer por eles e pelo alarmante estado do desemprego no país.

 

Esta foi a segunda parada de Obama na chamada volta por Main Street da Casa Branca, anunciada em dezembro. Um dos objetivos da viagem é que o presidente demonstre que entende o quão importante é melhorar a situação do país.

Tudo o que sabemos sobre:
Obamareforma na saúdedemocratas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.