Obama alcança a maioria dos delegados democratas

Apesar de uma ampla vitória no Kentucky, Hillary tem mais um revés na disputa democrata

Reuters, Associated Press, Efe, 'The New York Times',

20 de maio de 2008 | 20h16

Apesar da grande derrota que sofreu para a senadora democrata Hillary Clinton nas primárias do Kentucky na noite desta terça-feira, 20, o senador por Illinois, Barack Obama, alcançou já nestas prévias o apoio da maioria dos delegados do partido Democrata, em um grande passo para conseguir a indicação do partido na convenção de agosto. Obama - que venceu as primárias do Oregon -, no entanto, não alcançou o apoio de 2.026 delegados, número indispensável para a indicação automática para a disputa pela Casa Branca. A escolha do candidato democrata está agora nas mãos dos superdelegados, personalidades do partido livres para escolher qualquer candidato na convenção.         Veja também: Disputa ainda não chegou ao fim, diz NYTProfessor da USP analisa primárias democratasHomem mais rico do mundo dá como certa indicação de Obama Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA  Pelas projeções da rede CNN, o senador por Illinois assegurou o apoio de pelo menos 14 dos 51 delegados em jogo no Kentucky, indo para um total de 1.627. Hillary, por sua vez, conquistou ao menos 34 delegados. No Oregon, Obama conquistou 21 delegados e Hillary, 14. Na convenção que o Partido Democrata realizará em agosto em Denver irão 3.253 delegados. No Kentucky,  Estado com um eleitorado majoritariamente branco e de classe média, Hillary venceu com uma grande margem de diferença seu rival, como já apontavam as pesquisas. A ex-primeira-dama conseguiu 65% dos votos, contra 30% obtidos por Obama, alcançando assim uma larga diferença de 35 pontos.     O sucesso da senadora no Estado pode, no entanto, ajudar Hillary a conquistar superdelegados que ainda não declararam seu apoio a nenhum dos pré-candidatos, com o argumento de que ela é melhor para obter votos nos 'estados indecisos' - regiões que apresentam grande variação de preferência dos eleitores entre democratas e republicanos -, que serão fundamentais para a eleição geral de novembro.  Após a vitória no Kentucky, Hillary mais uma vez reiterou que está determinada a seguir na disputa e afirmou que, segundo os cálculos de sua campanha, ela lidera nos votos populares. A ex-primeira dama ainda lembrou o senador Ted Kennedy, que foi diagnosticado hoje com câncer, a quem chamou de "grande líder progressista". Hillary ainda ressaltou que nem ela nem Obama conseguirão atingir os 2.026 delegados necessários para a indicação democrata sem o apoio dos superdelegados. "Nosso partido terá que fazer uma escolha difícil: quem está preparado para representar os democratas no topo da cédula de votação? Quem está pronto para vencer o senador McCain nos estados indecisos?", disse a senadora, que completou: "Continuem trabalhando e lutando, porque eu vou fazê-lo". Resposta de Obama Foto: APEm um discurso em Iowa, logo após a divulgação dos resultados do Kentucky, o senador mencionou que ele conseguiu a maioria dos delegados democratas. Esperava-se que Obama já reivindicasse a vitória na disputa democrata, mas ele preferiu fazer uma discurso conciliatório, com largos elogios à senadora. "Em seus 35 anos de vida pública, a senadora Hillary Clinton nunca desistiu de sua luta pelo povo americano, e esta noite eu a parabenizo pela vitória no Kentucky. Nós tivemos desentendimentos durante a campanha, mas todos admiramos sua coragem, seu compromisso e sua perseverança. Não importa como terminem as primárias, a senadora Clinton rompeu barreiras e mudou a América em que minhas filhas e as de vocês vão viver. E por isso nós agradecemos a ela."   Apesar dos eleogios à rival, Obama já adotou uma postura de candidato, fazendo críticas abertas ao senador John McCain, virtual candidato republicano e ao presidente George W. Bush. "A mudança está chegando aos Estados Unidos", disse o senador diversas vezes. Ele associou McCain à "política de Bush no Iraque", a "cortes de impostos para os ricos" e insinuou que ele pode ter "ligações com lobistas".  Resistência Embora Hillary esteja atrás de Obama em número de delegados e de Estados, a ex-primeira-dama argumenta que é a pré-candidata que conta com o maior apoio popular, quando se consideram os resultados da Flórida e de Michigan, que não enviarão delegados à Convenção Democrata como penalidade por terem antecipado suas primárias. O partido deve decidir em 31 de maio o que fazer com os delegados dos dois Estados.  Além disso, Hillary continua cortejando os cerca de 200 superdelegados que ainda não tornaram público seu voto para nenhum dos dois pré-candidatos. As prévias desta terça-feira representam o antepenúltimo capítulo no longo processo de primárias democratas. Após essas disputas, faltam apenas os pleitos de Porto Rico, marcado para 1º de junho, e de Montana e Dakota do Sul, em 3 de junho.  (Matéria atualizada às 06h20)  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.