Obama anuncia que será o candidato democrata à Casa Branca

Senador consegue delegados necessários para concorrer com o republicano John McCain nas eleições dos EUA

Agências internacionais

03 de junho de 2008 | 22h05

O senador por Illinois, Barack Obama, anunciou nesta terça-feira, 3, em um discurso em St. Paul, Minnesota, a sua candidatura à Presidência dos Estados Unidos pelo Partido Democrata. "Hoje acaba um momento histórico e começa outro, que trará o novo e o melhor para os Estados Unidos. Hoje posso dizer que serei o candidato democrata à Presidência dos EUA", disse o senador. Filho de mãe norte-americana e pai queniano, Obama é o primeiro candidato negro a concorrer às eleições presidenciais por um dos dois principais partidos do país.  Veja também:Hillary diz que ainda não vai tomar decisãoCronologia da disputa entre Hillary e ObamaConheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA Confira a disputa em cada Estado Acompanhe a disputa entre os pré-candidatos  Depois de uma batalha de mais de 16 meses contra a senadora Hillary Clinton, a indicação de Barack Obama foi se desenhando durante a terça-feira, quando ele recebeu apoio de pelo menos 20 superdelegados democratas e de 10 delegados convencionais que antes apoiavam o ex-pré-candidato John Edwards. No final da noite ele ultrapassou a marca dos 2.118 delegados necessários para a nomeação democrata. O local escolhido por Obama para anunciar sua vitória na corrida é uma espécie de provocação ao seu rival, John McCain. É na cidade de St. Paul, Minnesota, que o candidato republicano deve ter sua candidatura formalizada pelo partido entre os dia 1 e 4 de setembro.  Em seu pronunciamento em Nova York logo após as projeções da vitória do senador pela televisão americana, Hillary assegurou que "não tomaria decisões nesta noite". A senadora parabenizou Obama, agradeceu seus mais de 18 milhões de eleitores e pediu para as pessoas "mostrarem seu apoio" no site de sua campanha, Foto: ReutersEm um sinal de que a campanha já começou, o republicano McCain dirigiu ataques a Obama nesta terça: "Não importa quem ganhar essa eleição, a direção deste país vai mudar dramaticamente. Mas a escolha é entre a mudança certa e a errada, entre ir para frente ou para trás", disse McCain em um discurso no Estado de Louisiana.  Ainda nesta terça, Obama recebeu o apoio do ex-presidente norte-americano Jimmy Carter. Carter, um superdelegado, permanecia neutro na disputa democrata mas indicou apoio a Obama e disse que membros de sua família apoiavam o senador por Illinois. Em meio a rumores de que a senadora Hillary Clinton estaria prestes à anunciar sua desistência da candidatura democrata, foi divulgada uma declaração em que a pré-candidata se dizia disposta a ser vice na chapa encabeçada por Obama. "Estou disposta a ser vice se isso ajudar na vitória do partido em novembro", disse Hillary em uma conferência com parlamentares democratas em Nova York.  Prévias de hoje Segundo projeções da televisão americana, Hillary venceu as prévias de Dakota do Sul, realizadas nesta terça, enquanto Obama foi o vencedor em Montana. No entanto, os resultados de ambos pleitos não mudam o cenário da disputa. Trajetória Barack Hussein Obama nasceu no Havaí, em 4 de agosto de 1961. Seu pai, de mesmo nome, nasceu e cresceu em uma pequena vila no Quênia, África, onde trabalhava para o governo da Grã-Bretanha. A mãe do senador, Ann Dunham, nasceu em uma cidade do Kansas, nos Estados Unidos. Os pais de Obama se conheceram na Universidade do Havaí.  Depois do nascimento de Obama, seu pai voltou ao Quênia, e ele cresceu com sua mãe no Havaí. Durante alguns anos, foi criado na Indonésia. Depois, se mudou para Nova York, onde se formou pela Universidade de Columbia em 1983. Ele se graduou em Direito e se mudou para Chicago em 1985, onde se tornou líder comunitário. O sucesso de suas ações na comunidade levaram o senador para a política. Durante sua passagem pela Universidade de Harvard, em 1991, ele se tornou o primeiro negro a presidir o jornal interno da instituição. Depois, seu trabalho com advocacia o levou de volta a Chicago, onde trabalhou como advogado e professor de Direito.  Entrou para o Senado em 2004, onde defendeu projetos para a educação infantil e programas de redução de impostos para a população. Em 17 de janeiro de 2007, Obama anunciou que concorreria à Presidência dos Estados Unidos pelo Partido Democrata. A campanha foi lançada oficialmente em Chicago, no dia 10 de fevereiro. Em junho, a arrecadação de sua candidatura já superava a de sua rival Hillary Clinton. Sua campanha foi bem planejada - enquanto Hillary se focou nas primeiras prévias, a campanha do senador pensou a longo prazo. Obama buscou os Estados os as primárias aconteceriam de março em diante e descobriu oportunidades para ganhar delegados, mesmo em Estados em que acabaria perdendo. Hillary parecia ter tudo para levar a indicação: era conhecida, tinha recursos e um marido muito popular dentro do Partido Democrata. Mas, pouco a pouco, Obama foi ganhando mais delegados e conseguiu tomar a dianteira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.