Obama anunciará medidas sobre energia e vazamento de óleo

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, vai aproveitar um pronunciamento no Salão Oval da Casa Branca nesta terça-feira para apresentar seu plano de restauração do meio ambiente na costa do Golfo do México, após o desastroso derramamento de petróleo da BP Plc, e indicar uma pessoa para liderar o esforço de reconstrução, disse o porta-voz do governo Robert Gibbs.

REUTERS

15 de junho de 2010 | 12h48

Falando a programas noticiosos matutinos da TV norte-americana, Gibbs afirmou que Obama vai abordar a redução da dependência do país de combustíveis fósseis e petróleo importado. O discurso ocorrerá num momento que em o

Congresso analisa a ampliação da legislação sobre energia com o objetivo de conter mudanças climáticas.

Obama está no segundo e ultimo dia de uma viagem à região afetada pelo vazamento de petróleo, de onde retornará a Washington para um discurso sobre o assunto, a ser televisionado para todo o país às 20 horas locais (21 horas em Brasília). Será seu primeiro pronunciamento a partir do Salão Oval, o que é uma demonstração da gravidade da crise.

Na entrevista à rede de TV CNN, Gibbs disse que o presidente vai falar sobre "como nós nos desafiamos para criar o tipo de abordagem energética que não aumente nossa dependência em combustível fóssil e petróleo estrangeiro."

Ele afirmou que Obama também iria tratar de mudanças na legislação regulatória para tentar evitar que esse tipo de desastre se repita, indicar alguém para chefiar o esforço de reconstrução e falar das próximas medidas para conter o vazamento de óleo no Golfo do México.

O presidente dos EUA também falará sobre como agilizar o pagamento dos prejuízos causados pelo desastre que está poluindo o litoral e sua pesca, disse Gibbs.

O porta-voz declarou à TV ABC que Obama tem autoridade legal para determinar que a BP estabeleça um processo independente de ressarcimento dos prejuízos de modo que as pessoas afetadas possam receber as indenizações de maneira rápida, eficiente e transparente.

Indagado sobre o que Obama fará se a BP se recusar, Gibbs disse: "O presidente tem a autoridade legal para obrigá-los a fazer isso. E se eles não cumprirem, ele o fará."

(Reportagem de David Alexander e Bill Trott)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMADISCURSOPETROLEOBP*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.