AP
AP

Obama busca aproximação com senadores democratas em ano de eleição

Presidente defende acordo com Irã e define estratégias para renovação do legislativo em novembro

O Estado de S.Paulo,

16 de janeiro de 2014 | 08h04

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, tentou construir uma frente unificada com senadores do Partido Democrata na quarta-feira, 15, ao convidá-los à Casa Branca para conversar sobre "objetivos compartilhados" antes de eleições parlamentares em que os republicanos tentarão tirar proveito de dificuldades enfrentadas pelo presidente para aumentar sua bancada.

Obama pediu aos senadores de seu partido que segurem projetos com propostas de aumentar as sanções ao Irã, que o presidente já disse que vetaria caso aprovados. Segundo a Casa Branca, aprovar novas sanções no Congresso prejudicaria o acordo internacional fechado com o Irã para reduzir o programa nuclear iraniano.

Mas a discussão sobre as sanções foi uma parte pequena da reunião, que teve um tom decididamente otimista, disse um assessor do Senado.  Obama sentou em um banco com um microfone no Salão Leste da Casa Branca e fez breves observações antes de ouvir perguntas dos senadores por cerca de 90 minutos.

"O grupo discutiu seus objetivos compartilhados para 2014, e o presidente expressou o desejo de continuar a trabalhar junto para promover uma série de prioridades no ano para fortalecer a nossa economia, criar empregos e aumentar a classe média", disse a Casa Branca em um breve comunicado sobre a sessão a portas fechadas.

O encontro aconteceu num momento em que os índices de aprovação de Obama continuam a cair, após uma série de problemas enfrentados pelo programa-chave do presidente para reformar o sistema de saúde pública dos EUA, conhecido como Obamacare. 

Ao menos 16 senadores democratas vão buscar a reeleição em novembro, e os republicanos esperam ganhar ao menos seis dessas cadeiras para tentar tomar o controle da Casa. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
EUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.