Obama busca suspender julgamentos na base militar de Guantánamo

Horas depois de tomar posse na terça-feira, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, determinou aos promotores militares que peçam uma suspensão de 120 dias em todos os julgamentos do tribunal de crimes de guerra de Guantánamo. Juízes militares devem decidir sobre o pedido na quarta-feira na base naval norte-americana localizada em pleno território cubano, segundo uma autoridade envolvida nos julgamentos. Se acatado, o pedido suspenderá os procedimentos de 21 casos ainda pendentes, incluindo um envolvendo a pena de morte contra cinco prisioneiros de Guantánamo acusados de conspirar para realizar os ataques de 11 de setembro de 2001 nos EUA que mataram quase 3 mil pessoas. Em seus pedidos os promotores afirmaram que a suspensão era "do interesse da justiça". Obama prometeu fechar a prisão militar de Guantánamo, vista como uma mancha no histórico de direitos humanos dos EUA e um símbolo de abusos contra presos e da detenção sem acusação formal sob o governo do ex-presidente George W. Bush.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.