Obama completa gabinete com indicações para agência ambiental e secretário de energia

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta segunda-feira seus indicados para liderar uma nova investida norte-americana para combater a mudança climática, escolhendo um especialista em qualidade do ar para dirigir a Agência de Proteção Ambiental (EPA) e um físico nuclear para chefiar o Departamento de Energia.

JEFF MASON E ROBERTA RAM, Reuters

04 de março de 2013 | 16h02

Obama escolheu a veterana do EPA Gina McCarthy para substituir Lisa Jackson como administradora da agência e o cientista Ernest Moniz, do Massachusetts Institute of Technology (MIT), para assumir o posto de secretário de Energia no lugar de Steven Chu. Obama também anunciou sua escolha para liderar a agência orçamentária da Casa Branca.

O presidente, cujo esforço para estabelecer um sistema cap-and-trade (limite e negociação) para as emissões de carbono fracassou no seu primeiro mandato, levantou a questão do aquecimento global em seus discurso de Posse e do Estado da União, no início do ano.

Ele pediu ao Congresso que adote um mecanismo baseado no mercado para reduzir as emissões de gases do efeito-estufa se não quiser enfrentar uma ação executiva de sua administração para alcançar o mesmo objetivo.

McCarthy, atualmente a administradora assistente da EPA para o Escritório de Ar e Radiação, trabalhou para democratas e republicanos no passado, inclusive para o adversário presidencial de Obama em 2012, o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney.

"Gina tem se concentrado em maneiras práticas e rentáveis de manter nosso ar limpo e nossa economia crescendo", disse Obama na Casa Branca.

"Ela ganhou uma reputação de pessoa honesta e franca. Ela aceita pontos de vistas diferentes", disse.

Ambientalistas e democratas do Congresso elogiaram a indicação, mas ela deve enfrentar um interrogatório duro dos republicanos, que a acusaram de promover políticas que custam empregos.

Moniz, enquanto isso, seria a pessoa responsável por apagar incêndios de Obama na meta do presidente de reduzir a dependência dos EUA do petróleo estrangeiro e estabelecer os EUA como um líder em tecnologia de energia limpa.

Ex-subsecretário de energia durante o governo Clinton, Moniz é atualmente diretor da Iniciativa de Energia do MIT, um grupo de pesquisa que obtém financiamento de pesos-pesados da indústria, como a BP, Chevron, e a Saudi Aramco para trabalhos acadêmicos sobre projetos que visam reduzir os gases do efeito-estufa.

"Ernie sabe que podemos produzir mais energia e desenvolver nossa economia enquanto ainda cuidamos do nosso ar, nossa água e nosso clima", disse Obama.

A escolha de Moniz foi recebida com menos entusiasmo da comunidade ambiental.

"Ernest Moniz... tem um histórico de apoiar fontes de energia sujas e perigosas como gás e energia nuclear com parceiros poluidores como a BP, Shell, Chevron e Saudi Aramco", disse a ativista de energia limpa Courtney Abrams da Environment America.

"Estamos preocupados com as prioridades do Departamento de Energia devido a esse histórico e esperamos que Moniz se concentre em maneiras limpas e renováveis para obtermos nossa energia, que não coloquem nossas famílias e nosso meio ambiente em perigo."

O esperado anúncio de McCarthy e Moniz aconteceu quando Obama preencheu seu gabinete no segundo mandato com uma autoridade econômica. Obama anunciou sua escolha de Sylvia Mathews Burwell, chefe da Fundação Walmart, para ser diretora da agência orçamentária da Casa Branca.

Todas as três indicações precisam de confirmação do Senado.

(Reportagem adicional de Mark Felsenthal, Ayesha Rascoe e Valerie Volcovici)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAGABINETECOMPLETO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.