Obama condena atentado no Iraque

Segundo porta-voz, sempre há pessoas tentando frear os avanços democráticos dos iraquianos

17 de agosto de 2010 | 17h20

Recrutas feridos na explosão de Bagdá

SEATTLE - O presidente dos EUA, Barack Obama, condenou nesta terça-feira, 17, o atentado que deixou ao menos 60 mortos e 125 feridos em um posto de recrutamento militar em Bagdá, no Iraque.

Veja também:

especial Linha do tempo: Os sete anos da guerra do Iraque

especialInfográfico: As franquias da Al-Qaeda

De acordo com o porta-voz adjunto da Casa Branca, Bill Burton, o presidente foi informado pela manhã sobre o ataque. " Sempre há pessoas tentando frear os avanços democráticos dos iraquianos", disse Burton, segundo a AFP. "Mas esses avanços são sólidos e garantimos que vamos levar nossa missão de combate até o final.

Os EUA vão encerrar as operações de combate no Iraque no final de agosto. Cerca de 90 mil soldados devem voltar para casa e 50 mil farão funções de treinamento do Exército iraquiano.

O atentado foi o mais mortífero em semanas, num momento em que as tensões políticas estão aumentando no país em razão da falta de acordo para formação do governo - cinco meses após as eleições parlamentares - e à medida que se aproxima o fim das operações de combate dos EUA no Iraque.

Tudo o que sabemos sobre:
ObamaIraqueatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.