Obama considera físico do MIT na pasta de Energia, dizem fontes

O presidente dos EUA, Barack Obama, cogita nomear o físico nuclear Ernest Moniz para o cargo de secretário de Energia, disseram fontes familiarizadas com o assunto à Reuters na quarta-feira.

ROBERTA RAM, Reuters

07 de fevereiro de 2013 | 09h01

Moniz, que foi subsecretário de Energia no governo Clinton, é hoje um dos assessores de Obama para questões científicas e energéticas, e também tem frequentes conversas com parlamentares a respeito de como as abundantes reservas de gás natural dos EUA irão gradualmente substituir o carvão como fonte de eletricidade.

Moniz é diretor da Iniciativa Energética do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), um grupo de pesquisas que recebe verbas de pesos-pesados empresariais como BP, Chevron e a saudita Aramco e se dedica a estudos voltados para a redução das emissões de gases do efeito estufa.

Ele não respondeu a um email na noite de quarta-feira pedindo para comentar a possível indicação.

Obama está no processo de reformular sua equipe de políticas energéticas e ambientais. Na quarta-feira, ele nomeou Sally Jewell, executiva-chefe da rede de varejo REI, para o cargo de secretária do Interior, com responsabilidade sobre os parques nacionais e as reservas energéticas.

Também há a expectativa de que ele nomeie um novo chefe para a Agência de Proteção Ambiental (EPA). Fontes disseram à Reuters que Gina McCarthy, encarregada de questões de qualidade do ar na EPA, é a principal candidata ao cargo.

Moniz é membro do Conselho de Assessores de Ciência e Tecnologia da Casa Branca e deve substituir Steven Chu, físico ganhador do Nobel que anunciou na semana passada a intenção de deixar o cargo de secretário de Energia.

Chu havia sido criticado por ignorar o enorme "boom" na prospecção de gás e petróleo nos EUA, dando prioridade ao estímulo para a energia renovável.

Moniz manteria o caráter científico do cargo, mas também agregaria uma grande afinidade com a indústria. Ele promove o gás natural como um "combustível-fonte" para reduzir a poluição por carbono enquanto novas formas alternativas de energia são desenvolvidas.

Em julho de 2011, ele disse à Comissão de Energia do Senado que os riscos de contaminação do ar e da água associados à polêmica técnica da extração de petróleo e gás por faturamento hidráulico são "desafiadores, mas administráveis" se houver regulamentação e supervisão suficientes.

Da sua época no governo Clinton, Moniz também tem experiência em supervisionar os laboratórios nacionais dos EUA e o arsenal nuclear nacional. No primeiro mandato de Obama, ele participou de uma comissão que buscou alternativas para o manejo do lixo nuclear.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMAENERGIAMIR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.