Obama conversa com Clinton sobre missão na Coreia do Norte

Atual e ex-presidente devem tratar das questões nucleares que envolvem o país asiático

Reuters, Agência Estado e Associated Press

17 de agosto de 2009 | 22h02

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, planeja passar uma hora nesta terça-feira, 18, com o ex-presidente Bill Clinton, segundo o porta-voz do governo. A intenção da conversa entre os dois é tratar da missão humanitária de Clinton na Coreia do Norte, que resultou na libertação de duas jornalistas norte-americanas.

 

Veja também:

linkEUA estudam sinais da Coreia do Norte após viagem de Clinton

link'Soube que pesadelo havia acabado quando vi Clinton'

especialEspecial: As origens do impasse norte-coreano

especialEspecial: As armas e ambições das potências nucleares

especialLinha do tempo da ameaça nuclear norte-coreana

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, disse que a sessão será o segundo encontro entre os dois. A conversa desta terça-feira, porém, será a primeira em que apenas o atual e o vice-presidente participarão e terão mais tempo para o diálogo.

 

Clinton conseguiu no dia 4 a libertação das duas repórteres que trabalhavam na Current-TV, emissora que tem entre seus proprietários o ex-vice-presidente Al Gore. As jornalistas Euna Lee e Laura Ling haviam sido presas por entrar ilegalmente no país e foram condenadas a 12 anos de trabalho forçado no país comunista.

 

O ex-presidente também se encontrou com o líder norte-coreano Kim Jong Il. Funcionários norte-americanos se mostram ansiosos por informações sobre o estado de Kim. Acredita-se que o líder norte-coreano teve um derrame recentemente e sofre com problemas de saúde.

O governo Obama busca fazer a Coréia do Norte voltar à mesa de negociações multilaterais, na tentativa de desnuclearizar a península coreana, ao mesmo em que quer reforçar as resoluções da ONU para impedir a proliferação de armas de destruição no país.

Pyongyang, que realizou um teste nuclear em maio e desde então lançou uma série de mísseis, insiste em uma negociação direta com os EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.