Jacquelyn Martin/AP
Jacquelyn Martin/AP

Obama conversa com líderes de Israel e Egito sobre Gaza

Presidente dos EUA reiterou o apoio do país ao direito de autodefesa israelense diante dos ataques

estdão.com.br,

15 de novembro de 2012 | 12h39

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, conversou na quarta-feira com o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, e o presidente egípcio, Mohamed Morsi, e reiterou o apoio norte-americano ao direito de autodefesa de Israel diante dos ataques de foguete da Faixa de Gaza, informou a Casa Branca.

Obama falou com os dois líderes sobre os ataques de foguete lançados de Gaza em direção a Israel e da escalada da violência no território. "O presidente fez um chamado ao primeiro-ministro Netanyahu para que faça todo o esforço para evitar vítimas entre os civis. Os dois concordaram que o Hamas precisa parar com os ataques contra Israel para permitir que a situação se acalme", informa a Casa Branca, em nota.

"O presidente também conversou com o presidente Morsi, considerando o papel central do Egito na preservação da segurança regional. Em sua conversa, Obama condenou os foguetes de Gaza contra Israel e reiterou o direito de Israel se defender", diz a nota.

O comunicado da Casa Branca afirma ainda que Obama e Morsi concordaram quanto à importância de "trabalhar para acalmar a situação o mais rápido possível" e permanecerão em contato estreito nos próximos dias. O Egito, um dos dois países árabes que possui acordo de paz com Israel, desempenhou um papel importante nos últimos anos ao obter a suspensão de hostilidades entre Israel e os militantes do Hamas, que governam a Faixa de Gaza.

Morsi, político islamista, vem sendo pressionado pelos EUA para garantir o acordo de paz com o Estado judaico. O Egito mantém contatos diplomáticos com os líderes do Hamas em Gaza e tem relações diplomáticas com Israel.

Os militares do Egito recebem uma grande ajuda financeira dos EUA e o governo egípcio busca assistência norte-americana para o desenvolvimento do país e perdão da dívida para estimular sua frágil economia.

Rússia

O presidente russo, Vladimir Putin, pediu nesta quinta-feira, 15, a Netanyahu e aos palestinos que evitem um aumento na violência, de acordo com a agência France Press (AFP). Os conflitos, segundo a agência, causou a morte de 15 palestinos e 3 israelenses.

Com Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.