Obama corta o próprio salário em solidariedade a servidores federais

O presidente dos EUA, Barack Obama, pretende devolver 5 por cento do seu salário, num gesto de solidariedade com funcionários públicos federais que terão de sair de licença não remunerada por causa de cortes orçamentários que entraram em vigor no mês passado.

Reuters

04 de abril de 2013 | 08h42

A redução voluntária no salário presidencial é retroativa a 1º. de março, quando começou o chamado "sequestro orçamentário", e irá vigorar até o fim de dezembro, segundo uma fonte do governo.

Obama ganha 400 mil dólares por ano. Um porta-voz disse que o presidente decidiu abrir mão de 5 por cento, ou 20 mil dólares, porque isso será semelhante aos cortes em órgãos públicos não ligados à defesa.

"O presidente decidiu que, para partilhar essa parcela no sacrifício que está sendo feito por servidores públicos de todo o governo federal afetados pelo sequestro, ele irá contribuir com uma porção do seu salário, devolvendo-a ao Tesouro", disse o porta-voz Jay Carney a jornalistas que acompanhavam o presidente ao Colorado e à Califórnia.

Antes, o secretário de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, já havia anunciado que devolverá uma parcela do seu salário equivalente ao pagamento que funcionários civis do Pentágono deixarão de receber.

Hagel vai devolver o equivalente a 14 dias de salário, cerca de 10.750 dólares, disse seu porta-voz na terça-feira.

A decisão de Obama foi originalmente noticiada pelo jornal The New York Times.

O sequestro orçamentário de 85 bilhões de dólares foi originalmente concebido para ser uma solução tão drástica que forçaria os políticos a buscarem outra solução para reduzir o trilionário déficit público dos EUA.

Mas Obama não cedeu na sua insistência em aumentar a arrecadação tributária para evitar os cortes, algo rejeitado pelos republicanos, que em janeiro já haviam aceitado relutantemente um aumento de impostos para os ricos.

(Reportagem de Mark Felsenthal e Jeff Mason em San Francisco)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMASALARIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.