Obama defende impostos mais altos aos ricos em discurso

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, usou seu último discurso do Estado da União antes das eleições de novembro para se colocar como defensor da classe média, pedindo taxas mais altas de impostos aos milionários e controle firme de Wall Street.

MATT S, REUTERS

25 de janeiro de 2012 | 07h37

Obama defendeu na terça-feira (madrugada de quarta em Brasília) suas políticas após três anos no cargo e propôs mudanças radicais no código tributário para eliminar as desigualdades que permitem aos ricos pagar menos impostos que a classe média norte-americana.

Ele mencionou impostos 34 vezes e empregos 32 vezes durante seu discurso de uma hora.

"Milhões de norte-americanos que trabalham duro e jogam sob as regras todos os dias merecem um governo e um sistema financeiro que façam a mesma coisa", disse Obama.

Os impostos compõem a questão mais polêmica da campanha eleitoral deste ano. Obama, que busca um segundo mandato, apesar de uma lenta recuperação econômica e uma alta taxa de desemprego, espera aproveitar o ressentimento dos eleitores da classe média contra Wall Street, enquanto as suas famílias estão sofrendo.

Os democratas têm atacado os republicanos no Congresso por apoiarem benefícios fiscais que favorecem os mais ricos, enquanto os republicanos são contra um aumento de impostos, mesmo sobre os mais endinheirados, alegando que isso iria prejudicar a frágil recuperação econômica.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMADISCURSOUNIAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.