Obama defende um forte órgão regulador para o sistema financeiro

O presidente dos Estados Unidos Barack Obama defendeu neste sábado o órgão de defesa do consumidor, que os bancos querem enfraquecer ou tirar da legislação.

STEVE HOLLAND, REUTERS

12 de dezembro de 2009 | 10h52

Para Obama, a agência poderia fortalecer a regulação de Wall Street.

A Câmara dos Deputados do país, controlada pelo Partido Democrata de Obama, aprovou na sexta-feira as maiores mudanças na regulação do sistema financeiro desde a Grande Depressão - uma vitória muito necessária para Obama, cuja aprovação ao governo caiu abaixo de 50 por cento.

Ele e seus colegas democratas querem adotar medidas que ajudem a evitar a repetição da crise que colocou a economia do país perto do colapso no ano passado, e ele usou seu discurso semanal por rádio e Internet para defender "reformas consensuais".

A lei pode criar uma agência de alcance amplo para detectar os efeitos de riscos sistêmicos na economia, policiar os administradores de fundos e as agências de rating, criar uma subsidiária de defesa dos consumidores, além de submeter a política monetária do Federal Reserve a uma fiscalização sem precedentes por parte dos congressistas, entre outras mudanças.

Os republicanos e os lobistas de bancos de Wall Street, que podem ter os lucros prejudicados com essas medidas, têm lutado por meses para enfraquecer e postergar as reformas, criticando o que eles chamam de uma desnecessária e cara intromissão nos negócios.

O embate vai continuar por meses no Senado, que deve pressionar por uma legislação mais branda para o setor.

Obama disse que a nova Agência de Proteção ao Consumidor Financeiro que seria criada teria poder para "por um fim às enganadoras e desonestas práticas de bancos e outras instituições" em relação a cartões de débito e de crédito, além de hipotecas e financiamento de veículos.

Críticos da nova agência consideram que isso criará mais burocracia governamental, reprimir a inovação e reduzir as possibilidades de escolhas aos consumidores - argumentos que Obama rejeita.

"Os americanos não querem ser vitimados por taxas misteriosas, regras móveis, e páginas e página de contratos com letras pequenas. E, enquanto a inovação deve ser encorajada, os modelos arriscados que ameaçam toda nossa economia, não" disse.

(Tradução Redação São Paulo; + 55 11 5644-7712))

REUTERS AAP

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMAAGENCIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.