Obama deve começar reforma 'do zero', dizem republicanos

Senadores dizem concordar com vários pontos do projeto, mas que uma nova proposta deve ser criada

estadao.com.br,

25 de fevereiro de 2010 | 12h52

Os republicanos querem que Obama tenha sucesso com o projeto de reforma do sistema de saúde dos EUA, mas disseram que o presidente precisa de outro plano e que a proposta deve ser refeita, segundo o discurso do senador republicano Lamar Alexander durante a reunião convocada nesta quinta-feira, 25, para a apresentação do novo plano.

 

Os opositores de Obama disseram que o presidente deve deixar de lado o plano aprovado por senadores democratas no dia 24 de dezembro e começar "com uma folha em branco". "Esse é um carro que quebrou e não pode ser reparado. Temos que começar tudo de novo", disse Alexander em discurso na reunião. O senador disse que seu partido concorda com várias das propostas de Obama para controlar os gastos do sistema de saúde e que os dois partidos devem "trabalhar passo a passo" pela reforma.

 

A líder da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, porém, argumentou que é muito tarde para "começar do zero" a proposta de reformar o sistema de saúde. Nancy disse que reiniciar o processo não é uma opção e que seus companheiros de partido estão comprometidos a aprovar um projeto "relevante para a vida dos americanos. "Muitas partes do projeto vieram dos republicanos, e por isso a reforma merece apoio", declarou a democrata.

 

Ao apresentar o novo plano, Obama pediu que democratas e republicanos deixassem as diferenças de lado para consertar "um dos maiores problemas da economia". "Todos entendem que o problema não está melhorando, está só piorando", disse ele, acrescentando que as projeções indicam que o custo dos planos de saúde vão aumentar e que os empregadores já estão tendo que fazer decisões a respeito da cobertura de seus trabalhadores.

 

O presidente disse ter identificado vários pontos de potencial acordo entre os dois partidos. "Há atualmente alguns acordos significativos sobre uma série de questões", disse Obama aos senadores, ressaltando que as ideias de republicanos e democratas apresentam coincidências.

 

A reforma do sistema de saúde dos EUA é apontada pela Casa Branca como a prioridade doméstica do governo Obama. Os republicanos têm se mostrado resistentes ao projeto desde seu anúncio e os democratas têm pressionado por sua aprovação. O novo plano apresentado por Obama nesta quinta une pontos das propostas da Câmara e do Senado, conforme é necessário para a aprovação.

 

(Com Reuters e Associated Press)

Tudo o que sabemos sobre:
ObamasaúdereformaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.