Obama discutirá incidente de navios com governo chinês

Washington acusa embarcações chinesas de intimidar barco americano; Pequim diz que houve violação de leis

AP e Reuters,

11 de março de 2009 | 16h19

O presidente americano Barack Obama irá discutir o confronto entre cinco navios chineses e um americano quando se encontrar com o ministro do Exterior da China, Yang Jiechi, na próxima quinta-feira, informou a Casa Branca nesta quarta, 11. "O incidente envolvendo os navios dos dois países estará na lista para discussão. O presidente continuará a deixar claro a posição de nosso país", afirmou o porta-voz Robert Gibbs.  Veja também:China diz que navio dos EUA infringiu leis internacionaisEUA acusam navios chineses de 'provocação' Na terça-feira, Pequim acusou um navio da Marinha americana de ter "violado leis internacionais e chinesas no Mar do Sul da China", respondendo à reclamação dos Estados Unidos de que seu navio USNS Impeccable foi cercado e hostilizado por barcos chineses em águas internacionais no domingo. A embaixada americana em Pequim protestou formalmente ao Ministério da Relações Exteriores chinês, alegando que o navio de mapeamento realizava "operações de rotina, segundo a lei internacional", em águas neutras nas proximidades de Ilha de Hainan. Segundo observadores, o governo da China não permite a presença de navios militares estrangeiros em uma área a 300 quilômetros da costa, na chamada "zona econômica exclusiva."  Pela lei internacional, o limite define os direitos de extração de recursos naturais. Mas o controle de Pequim sobre as águas da zona vai além de seu uso econômico. "A China considera que a lei internacional permite apenas a passagem de navios militares em sua zona e não tolera nenhuma atividade", afirmou o diretor do Centro de Estudos Americanos da Universidade de Fundan, de Xangai, Shen Dingli. A Ilha de Hainan abriga bases aéreas e navais do Exército chinês, que estão passando por uma modernização. Os EUA tentam descobrir mais detalhes sobre o programa.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.