Obama diz que é importante falar com Irã e Coreia do Norte

Na Itália, presidente ressalta importância de tentar persuadir governos a a renunciarem a ambições nucleares

Efe,

08 de julho de 2009 | 08h32

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, destacou nesta quarta-feira, 8, a importância de que a comunidade internacional converse com países como Irã e Coreia do Norte para tentar persuadi-los a renunciarem a suas ambições nucleares. Obama falou após um encontro de 45 minutos com o presidente italiano, Giorgio Napolitano, com quem conversou no palácio do Quirinale em Roma antes de ir para a cidade de Áquila, onde tem uma reunião bilateral com o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi.

 

Na mesma cidade, o presidente americano começará sua participação na cúpula do Grupo dos Oito (os sete países industrializados, mais a Rússia). Em breves declarações, Obama lembrou que acabava de vir da Rússia, onde na segunda-feira assinou com o presidente russo, Dmitri Medvedev, um compromisso rumo a um acordo sobre redução de armamento nuclear.

 

Segundo o presidente americano, "é importante que Rússia e EUA cumpram suas obrigações para que possamos conversar com países como Irã e Coreia do Norte e encorajá-los a dar passos para não contribuir à proliferação nuclear". Por sua vez, o presidente italiano relatou que durante a conversa com seu colega americano ambos abordaram assuntos como a participação da Itália em contingentes de paz no mundo e especialmente no Afeganistão.

 

Obama visitará a zona afetada pelo terremoto ocorrido em abril na cidade de Áquila e expressou sua alegria pela contribuição de seu país às tarefas de reconstrução. O americano reiterou que a Casa Branca está disposta a ajudar na reconstrução de monumentos históricos devastados pelo tremor.

 

A Itália, que ocupa a Presidência temporária do G8, convidou para o encontro o Brasil e outros emergentes, como China, Índia, México e África do Sul. Antes de partir para Gana, Obama será recebido ainda na sexta-feira pelo papa Bento XVI.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaEUAIrãCoreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.