Efe
Efe

Obama diz que Iraque conseguiu 'progressos substanciais'

Em encontro com Maliki, presidente reiteira que tropas americanas sairão por completo do país em 2011

Efe,

22 de julho de 2009 | 17h39

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta quarta-feira, 22, que o governo iraquiano conseguiu "progressos substanciais" e assume cada vez mais responsabilidades sobre o futuro do país. Obama falou assim em um comparecimento perante a imprensa no jardim da Casa Branca, após se reunir por uma hora com o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki.

 

Veja também:

especialEspecial: Guerra no Iraque: do início ao fim

 

O presidente americano reiterou o compromisso de seu país de retirar as tropas de combate até finais de agosto de 2010, e seu contingente completo ainda em 2011. Assim, citou a retirada das cidades realizada no mês passado como uma mostra de que os EUA cumprirão as promessas que fizeram. Obama advertiu que a violência continuará no Iraque e "aqueles que querem manter o país dividido continuarão seus massacres", mas assegurou que os insurgentes acabarão derrotados.

 

Ambos os líderes destacaram a excelência das relações e da cooperação entre os dois países. Obama assegurou nesse sentido que a colaboração continuará no caminho para as eleições de dezembro próximo e que serão feitos ajustes quando necessário.

 

Já o primeiro-ministro iraquiano, que visitou Washington pela primeira vez desde que o presidente George W. Bush deixou o poder em janeiro, reiterou seu compromisso com o desenvolvimento de instituições sólidas no Iraque e com uma verdadeira divisão do poder entre sunitas, xiitas e curdos.

 

"Trabalharemos muito duro para impedir que floresça qualquer comportamento sectário", prometeu o primeiro-ministro iraquiano. A visita de Maliki a Washington tinha como objetivo ressaltar a normalização das relações entre EUA e Iraque e promover a aproximação econômica, cultural e educativa, segundo a Casa Branca.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.