Charles Dharapak/AP
Charles Dharapak/AP

Obama diz que não pretende enviar tropas a Somália e Iêmen

Presidente prefere parceria estratégica com governos locais para conter ameaça da Al-Qaeda nos dois países

WILL DUNHAM, REUTERS

11 de janeiro de 2010 | 09h02

Os Estados Unidos não pretendem enviar tropas ao Iêmen ou à Somália, países que lutam para conter os militantes islâmicos, disse o presidente Barack Obama em uma entrevista publicada no domingo,11. 

"Não tenho intenção alguma de enviar soldados norte-americanos a estas regiões", disse Obama à revista People.

"Tenho toda a intenção de trabalhar com nossos parceiros internacionais em áreas no mundo que estão desgovernadas para garantir que estamos mantendo o povo americano seguro," acrescentou o presidente, segundo a revista.

 

Obama disse que a Al-Qaeda na Península Arábica, centralizada no Iêmen, aparenta ter treinado, fornecido equipamentos e orientado o nigeriano acusado de tentar explodir um avião norte-americano com destino a Detroit no dia 25 de dezembro, usando explosivos escondidos em suas roupas íntimas.

 

O Al Shabaab, uma insurgência inspirada na Al Qaeda, já domina grande parte da região sul e central da Somália, a nação do Chifre da África localizada no lado oposto do Golfo de Aden.

 

VEJA TAMBÉM:
especial Especial: As franquias da Al-Qaeda
documento Perfil: presidente do Iêmen
documento Entrevista: Iêmen é terreno fértil para radicalismo, diz ONU

"Soubemos nesse ano que no Iêmen, a Al-Qaeda se tornou um problema grave. E, como consequência, nos aliamos ao governo iemenita para ir atrás desses campos e unidades de treinamento terroristas de forma muito mais deliberada e substancial", afirmou Obama.

"O mesmo se aplica à Somália, outro país onde grandes partes não estão totalmente sob controle do governo e a Al-Qaeda está tentando se aproveitar delas", acrescentou.

Os Estados Unidos já tem grandes contingentes de forças terrestres no Iraque e no Afeganistão.

Tudo o que sabemos sobre:
IEMENSOMALIATROPASOBAMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.