Obama diz que plano republicano para a educação é retrógrado

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, acusou neste sábado seus rivais republicanos de terem uma abordagem retrógrada para o financiamento da educação, o que causaria demissões de professores, em uma crítica velada ao candidato a vice de Mitt Romney, Paul Ryan, que lidera uma campanha para corte de gastos públicos.

Reuters

18 de agosto de 2012 | 11h22

Obama usou seu programa semanal no rádio e na Internet para pressionar por mais investimentos nas escolas, após um novo relatório da Casa Branca mostrar que mais de 300 mil empregos da educação foram cortados desde a recessão entre 2007 e 2009.

O presidente avaliou que as propostas de educação do Partido Republicano causariam mais dezenas de milhares de demissões.

Seu nome não foi mencionado por Obama, mas Ryan, um especialista em impostos escolhido como vice de Romney na semana passada, criou o projeto orçamentário republicano que foi aprovado pela Câmara dos Deputados em março sem o apoio dos democratas.

O plano de Ryan subsequentemente foi enterrado no Senado, que tem maioria democrata, mas a campanha de Obama quer que os eleitores liguem Romney ao plano de austeridade de seu vice, especialmente com seu potencial impacto em programas populares como o da saúde e o da educação pública.

No início deste ano, Obama propôs investimentos de 25 bilhões de dólares nos Estados para impedir a saída de professores, mas os republicanos bloquearam a iniciativa por ser parte de um pacote maior de empregos de Obama, algo que eles consideravam um gasto inútil.

"O plano econômico que quase todo republicano votou a favor no Congresso torna a situação ainda pior. Ele corta investimentos na educação", afirmou Obama. "Tudo isso, para pagar um corte de impostos para os milionários e bilionários."

"Isso é retrógrado. É errado", afirmou.

Obama se concentrou na educação como parte de sua estratégia para se colocar como campeão da classe média e classificar Romney como alguém distante dos norte-americanos comuns.

(Reportagem de Matt Spetalnick)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMAEDUCACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.