Obama e Cameron conversam por telefone sobre G-20 e G-8

Governantes também discutiram a estratégia internacional para o Afeganistão e o Paquistão

Efe,

22 de junho de 2010 | 22h21

WASHINGTON- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, conversaram nesta terça-feira, 22, sobre os preparativos para a próxima cúpula do G-8 (países desenvolvidos mais a Rússia) e o G-20 (países ricos e emergentes).

 

Veja também:

linkObama quer falar com McChrystal antes de decidir sobre seu cargo

 

Em conversa por telefone, os dois líderes abordaram também, entre outros assuntos, a nova proposta orçamentária no Reino Unido e a estratégia internacional para o Afeganistão e o Paquistão, informou a Casa Branca.

 

Os dois acordaram a importância de que a União Europeia (UE) tome medidas rápidas para retomar seu programa de acompanhamento do financiamento terrorista.

 

Além disso, Obama elogiou a "natureza histórica" das desculpas apresentadas pelo novo governo britânico sobre o Domingo Sangrento - massacre promovido na Irlanda do Norte em 1972 por forças do Exército britânico, em repressão a uma manifestação pró-direitos civis.

 

Cameron apresentou na semana passada no Parlamento um relatório que confirmou que o Exército britânico matou 14 civis durante a manifestação.

 

O primeiro-ministro britânico resumiu ao presidente Obama o conteúdo de sua proposta orçamentária, com o qual a coalizão de conservadores e liberais-democratas pretende reduzir no prazo de cinco anos o alto déficit do Estado, estimado atualmente em torno dos 155 bilhões de libras (US$ 229 bilhões).

 

Os dois líderes conversaram por telefone pela primeira vez há dez dias, em um diálogo no qual abordaram assuntos como o vazamento de petróleo no Golfo do México.

 

Obama e Cameron devem realizar sua primeira reunião bilateral no próximo sábado, durante a cúpula do G20 em Toronto. Além disso, o primeiro-ministro britânico deve ir a Washington em julho para se reunir com o presidente americano na Casa Branca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.