Obama e Medvedev dizem estar perto de acordo nuclear

Dois presidentes têm encontro reservado na cúpula da ONU sobre o clima para discutir desarmamento

estadao.com.br,

18 de dezembro de 2009 | 15h16

  Medvedev e Obama discutem assinatura de tratado. Foto: Divulgação/Ria Novotsky/AP

COPENHAGUE - Os presidentes dos EUA, Barack Obama, e da Rússia, Dmitri Medvedev, disseram nesta sexta-feira, 18, que a assinatura de um novo tratado para a redução do arsenal nuclear de seus países está bastante próxima. O líder russo, ressaltou, no entanto, que ainda espera detalhes técnicos para finalizar o acordo. Os dois estão na cúpula do clima da ONU em Copenhague, na Dinamarca.

 

Segundo Obama, EUA estão bem perto de assinar o novo Tratado para Redução de Armas Estratégicas (Start) e houve excelentes progressos na reunião. "Estamos perto, mas restam detalhes técnicos", disse Medvedev. Ambos tiveram um encontro reservado em Copenhague.

 

Mais cedo,o porta-voz do ministério das Relações Exteriores da Rússia, Andrei Nesterenko, disse que negociadores russos e americanos poderiam chegar a um acordo sobre o novo tratado de desarmamento nuclear ainda hoje.

 

Fontes diplomáticas russas haviam afirmado à agência Interfax que os negociadores chegaram aos parâmetros do novo acordo, mas o trabalho de redação do texto levaria várias semanas.

 

Ontem, o chanceler russo, Sergei Lavrov, afirmou que negociadores americanos atrasavam a conclusão do novo Tratado para Redução de Armas Estratégicas (Start) e que ele possivelmente só seria assinado em 2010.

 

O novo Start deve substituir o antigo, de 1991, que venceria em 5 de dezembro, mas foi prorrogado até a assinatura do termo.

 

Obama e Medvedev concordaram em julho em reduzir o número de ogivas nucleares para algo entre 1,5 mil e 1,6 mil e o de plataformas de lançamento entre 500 e 1,1 mil. Mesmo assim, o poder nuclear das duas potências seria capaz de destruir o planeta diversas vezes.

 

Com informações da Efe, da Associated Press e da Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.