Obama elogia libertação de americana

Sarah Shourd estava presa no Irã desde 2009 e foi libertada nesta terça sob fiança de US$ 500 mil

Associated Press

14 de setembro de 2010 | 14h20

 

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Barack Obama, elogiou nesta terça-feira, 14, a libertação da americana Sarah Shourd, que estava presa no Irã desde julho do ano passado, e disse estar esperançoso de que os outros dois prisioneiros serão soltos pelo governo iraniano.

 

"Estou muito satisfeito que o governo iraniano libertou Sarah Shourd, que logo estará junto de sua família. Todos os americanos se juntam à sua mãe para comemorar seu tão esperado retorno", disse o presidente por meio de comunicado.

 

Sarah foi detida junto de dois americanos - Shane Bauer e Josh Fattal - enquanto viajavam perto da fronteira do Iraque com o Irã. Eles foram presos por guardas iranianos após cruzarem a fronteira acidentalmente. O Irã acusa o grupo de espionagem - o que pode ser punido com a morte no país persa, mas os EUA dizem que tal alegação não tem fundamento.

 

Obama disse que Bauer e Fattal não cometeram nenhum crime e afirmou ter esperanças de que o Irã vai "demonstrar compaixão e assegurar o retorno de ambos e de todos os outros americanos presos no Irã".

 

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, havia prometido pessoalmente a libertação de Sarah como um sinal de compaixão, conforme preveem os costumes do final do mês sagrado do Ramadã. O Judiciário do Irã, porém, revogou a decisão e estabeleceu suas próprias condições para a soltura, como o pagamento de uma fiança no valor de US$ 500 mil. O valor foi pago às autoridades, mas não há informações de quem o teria feito.

Tudo o que sabemos sobre:
Sarah ShourdviajantesEUAObamaIrã

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.