Obama estuda estratégia alternativa para Afeganistão

Segundo 'New York Times', tropas teriam foco no combate à Al Qaeda e não ao Taleban

Efe,

23 de setembro de 2009 | 11h45

O presidente dos EUA, Barack Obama, estuda uma estratégia alternativa para o Afeganistão, incluindo um plano do vice-presidente, Joseph Biden, que reduziria o número de soldados americanos no país, segundo um texto publicado nesta quarta-feira, 23, no jornal The New York Times.

 

O diário, citando como fonte "funcionários" não identificados, indica que a alternativa seria focada mais no combate à Al Qaeda, tanto no Afeganistão quanto no Paquistão.

 

O chefe militar americano no Afeganistão, general Stanley McChrystal informou ao Pentágono que, para que a atual estratégia tenha chances de sucesso, é necessário um aumento de tropas. Os EUA já têm cerca de 68 mil soldados no país que invadiu há oito anos.

 

Os meios de comunicação americanos disseram que os responsáveis civis no Pentágono e na Administração de George W. Bush são reticentes a esse aumento do contingente americano. As pesquisas indicam uma crescente oposição da opinião pública à escalada militar no Afeganistão.

 

"As opções consideradas são parte de uma reconsideração total da estratégia que o presidente anunciou com estardalhaço há apenas seis semanas", lembra o New York Times. "A avaliação ampla da estratégia responde à deterioração das condições no terreno, à situação confusa e ainda não resolvida que surgiu das eleições afegãs, e ao relatório do general McChrystal", acrescentou o jornal.

 

Obama declarou várias vezes que a estabilidade do Afeganistão é crucial para a segurança dos EUA, "mas alguns de seus assessores disseram que o presidente também vê o perigo de ficarem presos no local".

 

Biden sugeriu em março sua ideia de uma redução da presença militar americana no Afeganistão, e que, em vez de tentar proteger a população afegã contra o Taleban, as forças americanas se concentrassem em ataques contra a Al Qaeda, segundo o artigo.

 

A possível estratégia alternativa vem no momento em que 51% dos americanos são contra o aumento do contingente de tropas no Afeganistão, segundo uma pesquisa publicada também nesta quarta pelo jornal The Wall Street Journal.

 

O jornal e a rede NBC de televisão realizaram na semana passada a enquete, segundo a qual 59% dos entrevistados afirmaram também que "confiam menos" que a guerra terá uma conclusão bem-sucedida. Entre os entrevistados, 31% disseram que se opõem energicamente ao envio de mais soldados americanos ao Afeganistão, onde já há cerca de 68 mil militares americanos. Outros 20% indicaram que são contra "em certo grau" ao aumento do contingente americano. Enquanto isso, 19% responderam que apoiam energicamente o reforço das tropas americanas no Afeganistão e 25% estão de acordo com essa ação em certo grau.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.