Celso Junior/AE
Celso Junior/AE

Obama exige de Cuba sinais claros de democratização

Líder norte-americano disse que a política dos EUA para Cuba não funcionou porque o povo cubano não é livre

EFE

19 de abril de 2009 | 14h43

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou neste domingo que espera que o Governo de Cuba mostre sinais claros de que está disposto a investir na democratização e a libertar os presos políticos.

 

Veja também:

linkObama diz ter 'muito a aprender' com vizinhos

linkEm resposta a Cuba, governo Obama pede libertação de presos

linkPolítica dos EUA para Cuba fracassou, diz Hillary Clinton

linkPaíses da Alba rejeitam declaração da Cúpula das Américas

linkSorridente, Chávez troca cumprimentos com Obama em cúpula

mais imagens Veja a galeria de fotos da Cúpula das Américas

lista Veja os principais temas em discussão na Cúpula das Américas

lista Conheça os objetivos de Obama na Cúpula das Américas

 

Em entrevista, o líder americano explicou que a política dos EUA para Cuba não funcionou em 50 anos porque o povo cubano não é livre, e que Washington já deu os primeiros passos para mudar as relações bilaterais.

 

Com isso, afirmou, Cuba também precisa definir uma nova direção para a democratização do país.

O presidente americano ressaltou a importância de todos os líderes presentes na 5ª V Cúpula das Américas, que terminou hoje em Port of Spain, terem sido escolhidos democraticamente, o que, disse, permite que as diferenças sejam resolvidas respeitosamente.

 

Obama reiterou que a política americana para Cuba não mudará do dia para a noite, e que agora é preciso que o Governo cubano se mostre disposto a promover "a democratização, a liberdade dos presos políticos e o respeito aos direitos humanos".

 

O chefe de Estado americano também disse ter muita esperança numa nova era nas relações de cooperação entre a América Latina e os EUA, e que estas sirvam para que ocorra uma mudança em Cuba.

Sobre os debates na 5ª Cúpula das Américas, o presidente disse que a cooperação com a América Latina foi ampliada para além da tradicional colaboração militar ou contra o narcotráfico.

 

Obama acrescentou que a reunião em Port of Spain serviu para estabelecer uma fase de respeito pelos países soberanos e democráticos do continente, apesar das diferenças de opiniões. "Acho que os sinais mostrados até agora oferecem pelo menos uma oportunidade para um diálogo franco em uma variedade de assuntos, incluindo a democracia e a defesa dos direitos humanos em todo o hemisfério", acrescentou.

 

Obama condenou qualquer tentativa de golpe de Estado ou magnicídio no continente e citou, especificamente, o caso denunciado esta semana pelo presidente da Bolívia, Evo Morales.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaEUACuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.