Obama exorta Congresso a apoiar plano do pequenos negócios

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, exortou neste sábado seus aliados do Partido Democrata e rivais do Partido Republicano a apoiarem um plano para o uso de 30 bilhões de dólares em ajuda aos bancos para auxílio aos pequenos negócios.

REUTERS

06 de fevereiro de 2010 | 12h22

Obama enfrentou oposição de republicanos que desejam que o dinheiro pago de volta ao governo por grandes bancos seja devolvido ao Tesouro norte-americano para redução do déficit.

O presidente usou seu discurso semanal de radio e internet para promover suas propostas de geração de emprego em pequenas empresas, usando 30 bilhões de dólares do Programa de Alívio de Ativos Problemáticos para realizar empréstimos a pequenos negócios e oferecer um novo crédito fiscal para mais de um milhão de pequenos empresários que contratarem novos funcionários ou aumentarem salários.

Obama discursou dias antes de o Congresso dos EUA começar a discutir um novo projeto de lei de bilhões de dólares, que objetiva estimular o crescimento do emprego e derrubar a taxa de desemprego do país, atualmente em 9,7 por cento.

O clima político em Washington está rachado, em momento no qual os legisladores se ajustam a uma nova realidade, uma vez que os democratas não possuem mais a maioria de 60 votos no Senado, depois que um republicano obteve um assento relativo ao Estado de Massachusetts.

Prosseguindo com um tema que começou a abordar em seu discurso do Estado da União, em 27 de janeiro, Obama pediu que ambos os partidos se unam até onde podem para ajudar a enfraquecida economia da nação.

"Exorto os membros de ambos os partidos: não de oponham às boas ideias apenas porque é bom politicamente", disse Obama. "As propostas que esbocei não são democratas ou republicanas, liberais ou conservadoras. Elas são pró-negócio, pró-crescimento e pró-emprego. Líderes de ambos os partidos apoiaram ideias similares no passado. Então vamos nos unir e aprovar essas medidas sem demora."

Republicanos deixaram claro que estão olhando ceticamente para qualquer proposta democrata que aumente o nível de gastos do governo, criticando o orçamento de Obama de 3,8 trilhões de dólares para o ano fiscal de 2011.

"Os norte-americanos ainda estão perguntando: 'onde estão nossos empregos?', mas tudo o que eles estão tendo de Washington são mais gastos, mas impostos, mais dívida e mais intervenções do governo", afirmou o parlamentar republicano Jeb Hensarling em seu discurso semanal no partido.

(Por Steve Holland)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMAPEQUENOSNEGOCIOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.