Obama fará discurso sobre Oriente Médio na próxima semana

O presidente dos EUA, Barack Obama, pode fazer um importante discurso sobre planos de ação para o Oriente Médio no início da próxima semana, apresentando sua nova estratégia após a morte de Osama bin Laden e em meio às turbulências no mundo árabe, disseram autoridades dos EUA na quarta-feira.

MATT S, REUTERS

11 de maio de 2011 | 13h30

Uma questão importante sobre a qual ainda não há posição definida é se Obama, que teve sua imagem global fortalecida com a morte do chefe da Al Qaeda por forças norte-americanas, vai também usar o discurso para apresentar novas propostas para uma retomada do processo de paz israelo-palestino, disse uma fonte familiarizada com a discussão no governo.

Obama, que terá um encontro com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na Casa Branca em 20 de maio, estuda a possibilidade de fazer o discurso antes de partir para uma viagem à Europa no início da semana de 22 de maio, disse um funcionário sênior da administração.

Buscando rebater as críticas segundo as quais vem tendo dificuldade em acompanhar a turbulência no mundo árabe, o governo Obama vem traçando uma nova estratégia dos EUA para a região desde pouco após o início dos levantes populares que derrubaram governantes autocráticos no Egito e Tunísia e mergulharam a Líbia em uma quase guerra civil.

A morte de Bin Laden em uma operação militar dos EUA na residência onde ele vivia no Paquistão proporcionará a Obama a chance de defender que os árabes devem rejeitar a militância islâmica da Al Qaeda e aderir a mudanças democráticas, em uma nova era de relações com Washington.

Embora Obama tenha feito do reparo das relações dos EUA com o mundo muçulmano um ponto chave de sua política externa, uma autoridade dos EUA disse que o discurso que está por vir será sobre "mudanças políticas no Oriente Médio e norte da África, e não sobre o islã".

Funcionários dos EUA destacaram que ainda não foi definida a data do discurso.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMAORMEDDISCURSO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.