Obama homenageia McCain em jantar na véspera da posse

Democrata diz que rival na eleição é um herói americano e pede que ele o alerte sobre possíveis erros

JEFF MASON, REUTERS

20 de janeiro de 2009 | 08h22

O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, honrou seu ex-rival eleitoral John McCain na segunda-feira, descrevendo o senador pelo Arizona como um "herói americano".  Obama e McCain duelaram por várias vezes durante a campanha em assuntos domésticos e de política externa e, em alguns momentos, entraram no campo pessoal.   Veja também: Contas no vermelho são parte da herança maldita de Bush EUA foram os que mais perderam com Bush, diz analista  Dez lições de Bush para Obama  Veja o programa da posse de Barack Obama A vida de Barack Obama em imagens  Imagens da família Obama   Mas Obama deixou claro que esse período passou, apesar de prever que os dois nem sempre se darão bem no futuro. "John não é conhecido por morder a língua e se eu estiver errando, ele fará com que eu saiba. E é assim que deve ser", disse Obama, acrescentando --antes de receber aplausos-- que a Presidência é apenas um pedaço do governo norte-americano. Obama tomará posse como 44o presidente da história dos Estados Unidos na terça-feira. Ele passou toda a noite de véspera da posse em jantares para homenagear McCain, o ex-secretário de Estado Colin Powell --que rompeu com o Partido Republicano para apoiar Obama-- e seu vice, Joe Biden. Obama abriu o jantar em honra a McCain dizendo que o ex-prisioneiro de guerra no Vietnã é um herói que entende melhor que a maioria o que é realmente importante na política e pediu um novo espírito de cooperação em Washington. "Existem poucos americanos que entendem essa necessidade para o propósito comum e o esforço comum melhor que John McCain", disse. Lembrando dos debates travados entre ambos antes da eleição presidencial de 4 de novembro do ano passado, Obama brincou e disse que McCain teria direito a réplica sobre as coisas que diria dele. "Estou aqui nesta noite para dizer algumas palavras sobre o herói americano que eu vim a conhecer muito bem e a admirar muito --senador John McCain", começou o presidente eleito. "E, de acordo com as regras acordadas pelas duas partes, John terá cerca de 30 segundos para a réplica". Os dois se abraçaram quando Obama deu a palavra a McCain e ambos deixaram o palanque juntos. Após a saída de Obama, McCain se disse agradecido pela homenagem e por "desempenhar um pequeno papel na posse do 44o presidente dos Estados Unidos, mesmo não sendo o que eu tinha em mente há alguns meses". Ele reiterou os comentários de Obama de que os dois nem sempre estarão de acordo, mas prometeu apoiar o novo presidente a lidar com os desafios do país. "Prometo ao meu ex-adversário, meu novo presidente, que farei meu melhor para ajudá-lo no trabalho duro que terá pela frente", disse McCain, segundo cópia de suas declarações.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMAHONRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.