Stephen Crowley/NYT
Stephen Crowley/NYT

Obama homenageia mortos na Líbia e promete 'ficar firme'

A secretária de Estado, Hillary Clinton, desvinculou o governo dos EUA da produção do filme

Reuters

14 de setembro de 2012 | 18h32

BASE AÉREA DE ANDREWS - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, participou na sexta-feira, 14, de uma homenagem aos funcionários diplomáticos mortos nesta semana na Líbia, e prometeu "ficar firme" contra os protestos antiamericanos que varrem o mundo islâmico. 

 

Veja também:

linkIra islâmica se agrava e adota novos alvos em 15 países

blogVeja como foram os protestos contra o filme 

linkEUA pedem ao YouTube que 'revise' filme

linkManifestações atingem outras embaixadas

video Protestos continuam na Líbia

linkProtesto contra filme deixa 1 morto no Líbano

linkSuposto autor de filme já foi preso por estelionato 

linkENTENDA: filme que causou revolta insulta Maomé

Diante dos caixões cobertos com bandeiras dos EUA, Obama prometeu fazer de tudo para proteger os diplomatas norte-americanos no exterior e disse que vai responsabilizar os governos estrangeiros por sua salvaguarda.

 

"Os Estados Unidos nunca vão recuar diante do mundo", disse Obama a uma plateia que incluía familiares dos mortos, pessoal diplomático e militares, no interior de um vasto hangar da Base Aérea Andrews, nos arredores de Washington. 

 

Protestos contra um filme norte-americano semiamador que retrata o profeta Maomé de forma ofensiva se espalharam nesta semana pelo mundo islâmico. Na terça-feira, uma multidão atacou o consulado dos EUA na cidade de Benghazi, matando o embaixador norte-americano na Líbia e outros três funcionários diplomáticos.

Os incidentes, iniciados no dia do 11o aniversário dos atentados islâmicos de 11 de setembro de 2001 contra os EUA, motivaram questionamentos sobre a forma como o governo Obama lidou com as revoluções da Primavera Árabe desde o início de 2011, e colocaram a política externa no centro da atual campanha presidencial nos EUA.

O candidato republicano à reeleição, Mitt Romney, e outros políticos de oposição viram no ataque ao consulado em Benghazi e a outras sedes diplomáticas dos EUA um sinal de enfraquecimento do país no cenário mundial sob o governo de Obama.

O presidente democrata, candidato à reeleição, admitiu que estes estão sendo "dias difíceis", mas prometeu resistir.

"Vamos trazer à justiça aqueles que os tiraram de nós. Vamos ficar firmes contra a violência contra nossas missões diplomáticas. Vamos continuar fazendo tudo que estiver ao nosso poder para proteger os norte-americanos que servem no exterior, o que pode significar aumentar a segurança em nossos postos diplomáticos, trabalhar com países anfitriões que têm a obrigação de fornecer segurança, e deixar claro que a justiça chegará para aqueles que fazem mal aos norte-americanos."

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, novamente tratou de desvincular o governo dos EUA da produção do filme, e reiterou que a reação violenta é "totalmente inaceitável". Ela disse que países como Egito, Tunísia e Líbia, que derrubaram regimes autoritários nos últimos dois anos, "não trocaram a tirania de um ditador pela tirania da turba".

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMALIBIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.