Obama homenageia soldados mortos em helicóptero no Afeganistão

O presidente dos EUA, Barack Obama, homenageou nesta terça-feira os 30 soldados norte-americanos mortos num helicóptero que foi abatido por insurgentes no Afeganistão, numa cerimônia privada em que os corpos foram recebidos de volta no país.

JEFF MASON, REUTERS

09 Agosto 2011 | 19h03

O Pentágono proibiu a imprensa de acompanhar o evento, qualificado pelo Pentágono como a "transferência digna" dos despojos na Base Aérea de Dover, em Delaware, onde fica o maior necrotério militar dos EUA.

Militantes do Taliban abateram no sábado um helicóptero norte-americano Chinook, matando todos os seus 38 ocupantes (sendo 8 afegãos e 30 soldados dos EUA), no incidente com maior número de militares estrangeiros mortos em quase dez anos de guerra.

O ataque ainda está cercado por incógnitas, incluindo se o protocolo correto foi seguido, já que uma força de elite -- os Seals, dos marines -- foi enviada para ajudar colegas num confronto e acabou sendo abatida. A força Seal ficou conhecida por ter sido responsável por matar Osama bin Laden em maio no Paquistão, mas nenhum dos militares mortos esteve envolvido naquela ação.

O Comando Central dos EUA disse que encarregou um general de brigada para investigar o ataque.

O Pentágono não divulgou o nome dos militares mortos, e disse que os corpos não foram individualmente identificados. Numa entrevista com momentos tensos, o coronel David Lapan, porta-voz do Pentágono, disse que a imprensa foi barrada na cerimônia por causa do caráter extremamente violento do incidente.

"Como não temos restos identificáveis, não pode haver permissão familiar para a cobertura da imprensa", disse Lapan. "(Os parentes) verão caixões de transferência, mas não saberão se seu ente querido estará em um caixão de transferência específico", disse Lapan.

Os restos dos sete militares afegãos e de um tradutor mortos no ataque serão devolvidos ao Afeganistão quando forem identificados.

Uma fonte da Casa Branca disse que Obama, que viajou por via aérea até Dover, subiu a cada um dos aviões C-17 que traziam os restos mortais, e prestou homenagens.

Ele então passou os 70 minutos seguintes oferecendo condolências aos cerca de 250 familiares e militares presentes.

(Reportagem adicional de Phil Stewart em Washington e Paul Tait em Cabul)

Mais conteúdo sobre:
EUAOBAMASOLDADOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.