AP
AP

Obama manda investigar morte de 2 mil taleban em 2001

Segundo o "The New York Times', governo Bush brecou investigação sobre ação de líder tribal ligado à CIA

Efe,

13 de julho de 2009 | 08h56

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ordenou investigar as supostas tentativas da administração americana anterior de ocultar o assassinato, em 2001, de centenas de prisioneiros do Taleban por um senhor da guerra afegão.

Veja também:

especial 30 anos de violência e caos no Afeganistão

"Pedi a minha equipe de segurança nacional que recopile todos os fatos", disse Obama em entrevista à rede de televisão americana "CNN" divulgada nesta segunda-feira, 13.

"The New York Times" revelou na sexta-feira passada que altos funcionários do Governo de George W. Bush frearam os esforços do FBI, do Departamento de Estado e do Pentágono para investigar os fatos.

Segundo fontes governamentais e de  organizações de direitos humanos citadas por esse jornal, as investigações sobre a morte de mais de 2.000 prisioneiros de uma prisão de Kunduz, que podem ter sido executados e sepultados em valas comuns, pelas forças do general Abdul Rashid Dostum, foram paralisadas porque este estava na folha de pagamento da CIA.

Para Obama, "há responsabilidades que todas as nações têm, inclusive em tempos de guerra".

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoObamaTalebanCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.